Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Fim da remuneração de ativos reduziria custo da energia

Por Da Redação
23 Maio 2012, 15h41

Por Anne Warth

Brasília – O fim da remuneração dos ativos amortizados das concessões de energia que vencem em 2015 reduziria o preço da energia em 9%. A estimativa é do presidente da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Energia Elétrica (Abradee), Nelson Leite, que participou nesta quarta-feira de audiência pública na Comissão de Minas e Energia da Câmara.

Segundo ele, os contratos que vencem em 2015 representam 18% do total da energia gerada no País. “Partindo da hipótese de que todos os ativos estão depreciados, o que não está claro ainda, pois isso precisa ser calculado para cada usina, a redução na tarifa seria de 4,5%”, disse. “Quando se reduz 4,5% na fatia do bolo da geração, isso se reflete nos encargos e tributos em mais 4,5%, pois metade da conta de luz é tributo e encargo”, disse.

Leite afirmou, porém, que uma reavaliação dos encargos setoriais e tributos que incidem sobre a energia poderia levar a uma redução de 20% na tarifa. Segundo ele, existem 13 encargos setoriais, e, sobre eles, incide o ICMS. “Os encargos representam 13% da conta de luz, e cada um deles pode ser questionado”, afirmou.

A Conta de Consumo de Combustíveis (CCC), por exemplo, que serve para bancar a compra de combustíveis para usinas termelétricas da Região Norte, vai perder o sentido quando a linha Tucuruí-Manaus entrar em operação, disse Leite. “Manaus hoje fica com cerca de 40% do CCC, que é de R$ 6 bilhões. Somente com essa linha teríamos uma redução de gastos de R$ 2,2 bilhões”, afirmou.

Continua após a publicidade

A extinção da Conta de Desenvolvimento Econômico (CDE), destinada à universalização do sistema, por meio do programa “Luz para Todos”, que já está perto de atingir seu objetivo, geraria uma economia de 2% na tarifa, disse Leite.

Além disso, se o sistema de cumulatividade do ICMS fosse alterado, a alíquota de PIS/Cofins, segundo Leite, cairia de 9,6% para 3%. “Quando soma tudo isso com a questão dos ativos amortizados, podemos chegar a uma redução de 20%”.

Segundo ele, se a tarifa for reduzida em 20%, automaticamente a incidência do ICMS cairia 6%. “Se reduzirmos a tarifa em 20%, o ICMS automaticamente é reduzido em 6%”, acrescentou. “Mas os Estados vão perder arrecadação, e vão querer tirar isso de algum lugar.”, ponderou.

Leite sugeriu aos deputados da Comissão de Minas e Energia que as concessões que vencem em 2015 e os encargos e impostos sejam discutidos ao mesmo tempo. “A minha sugestão é que se coloque em discussão toda questão de encargos, além dos ativos amortizados”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.