Clique e assine a partir de 9,90/mês

FHC defende componente redistributivo na Reforma da Previdência

Comentário de ex-presidente provoca reações de bolsonaristas, que alegam ter o governo do tucano fracassado nesse quesito

Por Da Redação - 12 maio 2019, 18h36

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu neste domingo, 12, que a reforma da Previdência deva ter objetivo de redução da desigualdade social, além de se impacto positivo na reducnao do endividamento público em longo prazo. Seu comentário no Twitter gerou reações.

“Ouvi depoimento do economista, que não conheço, Eduardo Moreira sobre a reforma da Previdência: o ponto dele é correto, tiremos dos que mais ganham, não dos pobres. A reforma é necessária, mas o olhar tem que ser tanto fiscal quanto redistributivo. Eis a questão e a dificuldade”, escreveu FHC.

O ex-presidente se referia ao economista Eduardo Moreira, que participou da comissão especial que discute o projeto da reforma na Câmara na última quinta-feira, 9. Moreira defendeu que a reforma não mexa com os mais pobres e questionou a eficácia do sistema de capitalização tal como foi proposto pelo governo.

Em seu discurso na comissão, por exemplo, Moreira sugeriu dar a opção de antecipar a aposentadoria àqueles que ganham até um salário mínimo e já cumpriram os 35 anos de contribuição, se a idade mínima for aprovada.

O secretário especial adjunto de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Bianco Leal, lembrou que já no governo FHC buscava-se um “sistema justo” para a Previdência, que proporcionasse maior contribuição dos ricos e a aposentadoria deles na mesma idade dos mais pobres. “Diferente do seu governo, nós vamos conseguir! Não dê palanque aos equivocados”, disse Leal, em resposta a FHC, também por meio do Twitter.

No mesmo tom, a líder do governo no Congresso, deputada bolsonarista Joice Hasselmann (PSL-SP), também respondeu ao ex-presidente. “Alô, @FHC! Seu governo tentou e fracassou.” Ela defendeu o projeto do governo Bolsonaro, dizendo que a proposta fará com que os mais ricos e mais pobres se aposentem com a mesma idade e que a contribuição daqueles que ganham menos seja reduzida.

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade