Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Fenabrave espera alta de 8% em vendas diárias em junho

Por Da Redação 5 jun 2012, 15h53

SÃO PAULO, 5 Jun (Reuters) – As vendas diárias de automóveis e comerciais leves devem registrar crescimento em junho, incentivadas pelo pacote de medidas lançado pelo governo no final de maio, afirmou nesta terça-feira a associação de concessionários, Fenabrave.

Segundo a entidade, a média de vendas por dia útil em junho deve avançar 8 por cento sobre o mês passado, para 13,5 mil automóveis e comerciais leves, com o ajuste do setor ao pacote anunciado em 21 de maio, que reduziu Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e incentivou crédito para financiamentos.

De janeiro a maio, as vendas de automóveis e comerciais leves novos no Brasil acumulam queda de 4,4 por cento, impactadas por contenção de crédito por um setor bancário que amargou perdas com aumento forte da inadimplência e a lentidão da economia no início do ano. Por dia útil, a média de vendas dos cinco primeiros meses do ano foi de 12,3 mil unidades.

“Esperamos no segundo semestre uma recuperação que nos permita manter a previsão de crescimento das vendas (da ordem de 3,5 por cento para carros e comerciais leves)”, disse o presidente da Fenabrave, Flávio Meneguetti, a jornalistas.

Em maio, as vendas de automóveis e comerciais leves cresceram 12,1 por cento ante abril, para 274,5 mil unidades, mas mostraram recuo de 8,6 por cento sobre um ano antes, quando montadoras e distribuidores ainda não reclamavam de escassez de crédito pelos bancos.

Diante da expectativa de aumento de vendas diárias em junho, Meneghetti preferiu não comentar se o setor prevê um forte movimento de antecipação de compras pelos consumidores até o final de agosto, quando termina a redução do IPI.

Segundo o presidente da Fenabrave, “o governo está atento. Se o mercado se comportar de forma que não contribua para as vendas, acredito que o governo vai lançar medidas. Estou otimista”.

Apesar de ainda não ter um quadro completo sobre o impacto das medidas do governo, Meneguetti comentou que o fluxo de compradores em lojas após o pacote “foi tremendamente superior” e que os emplacamentos de carros e comerciais leves aceleraram de 25 a 30 por cento no final de maio, alcançando pico de 18 mil no último dia 31 ante 7 mil no dia 28.

Com isso, ele espera que os estoques de automóveis e comerciais leves novos na distribuição, hoje equivalentes a uma média de 45 dias de vendas, recuem nos próximos 60 dias para níveis normais de 25 a 30 dias.

“Vamos aguardar junho para saber qual o fôlego do mercado. O que preocupa é o cenário do PIB, em que projetamos crescimento de 2,5 por cento (…) Toda vez que o PIB cresce 3 por cento ou menos, o setor anda de lado”, afirmou Meneguetti.

Continua após a publicidade

No segmento de caminhões, que de janeiro a maio acumula tombo de 13,5 por cento nas vendas sobre igual período de 2011, a situação é “complexa”, diante da mudança do setor para motores menos poluentes, mas mais caros, o chamado padrão “Euro 5”.

“Houve antecipação tremenda de compras no ano passado. Do total de vendas em 2011, aproximadamente um terço foi antecipação. A capilaridade dos postos de combustível não é adequada ainda e, além disso, o PIB industrial veio abaixo do esperado, junto com a queda da safra agrícola”, disse Meneguetti.

“O estoque de Euro 3 praticamente se exauriu e o mercado deve se recuperar, mas de forma lenta. Tem crédito nesse caso, mas acontece que houve a antecipação de compras.”

Por ora, a expectativa da Fenabrave para vendas de caminhões em 2012 é de crescimento de ligeiros 2,6 por cento, para 177,15 mil unidades.

MAIO

No total, as vendas de automóveis, comerciais leves, ônibus e caminhões novos no Brasil cresceram 11,53 por cento em maio ante abril, para 287,59 mil unidades, favorecidas por um período de vendas mais longo.

O mês de maio, que respondeu pelo segundo melhor desempenho mensal de vendas em 2012 depois do licenciamento de 300,6 mil veículos em março, teve 22 dias úteis, contra 20 em abril.

Já em relação a maio de 2011, as vendas caíram 9,7 por cento, enquanto no acumulado dos cinco primeiros meses de 2012, os licenciamentos recuaram 4,8 por cento, para 1,36 milhão de unidades.

A Fiat registrou emplacamentos de 59.484 veículos em maio, ante 53.524 em abril. A montadora italiana foi seguida pela General Motors, com vendas de 54.780 unidades após 41.378 em abril.

A Volkswagen apurou licenciamentos de 54.337 automóveis e comerciais leves em maio contra 50.932 em abril. Já a Ford teve vendas de 24.269 unidades após 24.100 no mês anterior, enquanto a Renault emplacou 17.434 veículos, avançando sobre as 16.548 unidades vendidas em abril.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês