Clique e assine a partir de 8,90/mês

Fed mantém taxa de juros em meio à fraqueza da economia global

Mesmo com a decisão, banco central americano deixou aberta a possibilidade de um modesto aperto da política monetária ainda em 2015

Por Da Redação - 17 set 2015, 15h51

O Banco Central norte-americano, o Federal Reserve (Fed), decidiu nesta quinta-feira manter a taxa básica de juros dos Estados Unidos entre e zero e 0,25%, o mesmo nível desde 2008. Segundo o Fed, uma variedade de riscos globais e outros fatores, como a baixa inflação do país, levaram a instituição a adiar o primeiro aumento do custo do dinheiro em quase uma década.

Apesar da manutenção da taxa próximo a zero, os juros ainda podem ser reajustados em mais duas reuniões do Comitê Federal de Política Monetária (Fomc, na sigla em inglês), que estão agendadas para outubro e dezembro.

“Os recentes acontecimentos financeiros e econômicos globais podem conter a atividade econômica de alguma forma e devem colocar mais pressão de queda sobre a inflação no curto prazo”, informou o Fed em seu comunicado ao final da reunião de dois dias. A instituição também afirmou que os riscos à economia dos Estados Unidos continuam quase equilibrados, mas que está “monitorando os acontecimentos no exterior”. Esta é uma clara indicação de que o governo americano está apreensivo com os impactos da desaceleração da China sobre a economia global.

A decisão tem impacto direto sobre o mercado de câmbio no Brasil. O dólar chegou a bater a marca dos 3,90 reais pela manhã com os investidores cautelosos sobre a possibilidade de o Fed elevar os juros. Logo após sair a decisão, a valorização da moeda emericana perdeu fôlego. Por volta das 15h50, subia a 0,08%, a 3,83 reais. Um aumento nos juros tornaria o mercado dos Estados Unidos mais atrativo para os investidores, que tirariam o dinheiro de países emergentes, como o Brasil, para colocar no Tesouro americano, por exemplo.

Leia mais:

Dólar chega a R$ 3,90 à espera de decisão do Fed

OCDE eleva previsão de queda no PIB brasileiro para 2,8%

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade