Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Faturamento de MPEs paulistas cresce 2,5% em maio

De acordo com levantamento do Sebrae-SP, o resultado é o melhor para o mês desde 2001

O faturamento das micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas, já descontada a inflação, cresceu 2,5% em maio em relação a igual mês de 2012, segundo a pesquisa de conjuntura mensal Indicadores Sebrae-SP, divulgada nesta Segunda-feira pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. O resultado foi o melhor para o mês desde 2001. Em maio deste ano, a receita total das MPEs foi de 47,3 bilhões de reais, 1,1 bilhão de reais a mais do que em igual período do ano passado.

Segundo a pesquisa, o comércio teve o melhor desempenho, com alta de 7,7% no faturamento. Os setores de serviços e indústria foram na direção oposta, com queda de 0,4% e 6,1%, respectivamente. “O resultado mais modesto do setor de serviços teve influência da base forte de comparação. Em maio de 2012, as micro e pequenas empresas de serviços tiveram aumento de faturamento de 14,7% sobre maio de 2011. Já a indústria ainda sofre com problemas de competitividade”, afirma o diretor-superintendente do Sebrae-SP, Bruno Caetano.

Leia também:

Startups mobilizam fãs e dão nova cara ao mercado de shows

Promulgada lei que zera IR de participação nos lucros

Aplicativos ‘do bem’ rendem prêmios às startups brasileiras

No acumulado do ano, as MPEs tiveram alta de 3,9% na receita real ante os cinco primeiros meses de 2012. Porém, esse porcentual aponta uma desaceleração no crescimento. Na comparação do resultado de janeiro a maio de 2012 com igual intervalo de 2011, a expansão havia sido de 8,9%. “Parte dessa queda no ritmo de crescimento pode ser explicada pela base relativamente forte de comparação, pois no acumulado de janeiro a maio de 2012 os resultados foram bem significativos”, diz Caetano. De acordo com o diretor-superintendente, o crescimento fraco da economia do País também contribuiu para atenuar o desempenho das MPEs, quanto ao faturamento.

A pesquisa apontou ainda que a maioria dos empresários (56%) acredita em estabilidade no faturamento para os próximos seis meses. Na mesma época do ano passado, esse grupo representava 54% do total. No entanto, a parcela dos que esperam piora nos resultados de seus negócios subiu de 5% em junho de 2012 para 7% em junho de 2013.

Quanto à perspectiva com a economia, no entanto, a percepção tornou-se mais negativa. Segundo o consultor do Sebrae-SP e coordenador da pesquisa, Pedro João Gonçalves, em junho de 2012 os que esperavam manutenção do nível de atividade econômica eram 55%. Em junho de 2013, 47% têm a perspectiva de melhora para a economia. Já os que preveem retração no nível de atividade da economia passaram de 9% no ano passado para 23% em junho de 2013. “Uma alteração expressiva”, afirma.

A pesquisa Indicadores Sebrae-SP, é realizada mensalmente, com a colaboração da Fundação Seade. São entrevistadas 2.716 MPEs do Estado de São Paulo, distribuídas em indústria de transformação (10%), comércio (53%) e serviços (37%). Nesta pesquisa, as MPEs são definidas como empresas de comércio e serviços com até 49 empregados e empresas da indústria de transformação com até 99 empregados, com faturamento bruto anual até 3,6 milhões de reais.

(com Estadão Conteúdo)