Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Família Rossi entra na briga pelo mercado de shoppings

Por Da Redação 8 set 2011, 08h40

Por AE

São Paulo – O boom da indústria de shopping centers no Brasil tem impulsionado o surgimento de novas empresas no setor. Em gestação desde o ano passado, o mais novo grupo do setor se apresentou ao mercado na semana passada, ao anunciar a construção de seu primeiro empreendimento na cidade portuária de Rio Grande, no Rio Grande do Sul.

Uma de suas vantagens competitivas está no sobrenome. A 5R Shoppings Centers tem entre os sócios a família Rossi, controladora de uma das maiores incorporadoras do País. A 5R foi criada em 2009, quando a Rossi decidiu profissionalizar a gestão e afastar os familiares do dia a dia. Edmundo Rossi Cuppoloni, um dos sócios fundadores da incorporadora, criou a nova empresa com os três filhos para investir em imóveis geradores de renda, como escritórios e galpões logísticos. Agora, quer entrar também na onda dos shoppings.

�É um negócio que faz todo o sentido pra gente, porque incorporar e desenvolver projetos está no nosso DNA�, diz Paulo César Rossi Cuppoloni, filho de Edmundo e presidente do family office. O conhecimento que faltava para investir em shoppings os Rossi conseguiram se associando a executivos veteranos nesse mercado. Carlos Felipe Fulcher trabalhou por dez anos na Sonae Sierra, onde atuou como diretor geral do grupo na Grécia e participou do desenvolvimento de shoppings na Europa. Cesar Garbin, diretor de operações da multinacional no Brasil por 13 anos, deixou a Sonae na semana passada. O outro sócio é Felipe Rodrigues, herdeiro da família controladora do shopping Frei Caneca.

Para atuar no setor, eles criaram uma joint venture com a holding 5R. �Chegamos discretamente, com a meta de ficar até o fim deste ano entre os principais players do mercado�, disse Fulcher, presidente da joint venture. A empresa pretende desenvolver projetos em todo o País, em cidades médias e capitais. Em Rio Grande – município hoje com 197 mil habitantes -, a empresa prevê investimentos de R$ 120 milhões para a construção do shopping. �Já temos licença para iniciar as obras e pretendemos entregar o empreendimento em 2013�, diz o executivo.

O primeiro grande centro comercial da cidade será construído no terreno do antigo Jockey Club, comprado pela empresa num leilão. Na área de 190 mil metros quadrados, também estão previstas, numa segunda etapa, a construção de torres comerciais e hotéis. Ao todo, a previsão de VGV (sigla para volume geral de vendas) do empreendimento é de R$ 1,1 bilhão.

O projeto é ambicioso mas não é o único do gênero na cidade. Recentemente, um consórcio formado pela Iochpe-Maxion, fabricante de autopeças, Cipasa, do fundo de private equity Prosperitas, e Partage, dos sócios do laboratório Aché, também anunciou um megaempreendimento em Rio Grande, que inclui shopping, hotel e um condomínio residencial. O projeto, no entanto, ainda não tem autorização da prefeitura para ser levado adiante, segundo informou o secretário de planejamento, Paulo Renato Cuchiara. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Continua após a publicidade
Publicidade