Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Falta clareza à proposta para controlar preços de alimentos, diz Geithner

Para o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, forças de mercado devem agir livremente

Por Da Redação 7 fev 2011, 17h30

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, afirmou nesta segunda-feira que a proposta da França para acabar com a volatilidade dos preços dos alimentos “não está clara”. Ele sinalizou que as forças do mercado devem funcionar livremente. Seu comentário, em resposta a um questionamento feito num encontro com estudantes e professores de negócios em São Paulo, ocorreu no contexto do alerta feito recentemente pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) sobre a alta dos preços dos alimentos no mundo. A França, atualmente na presidência do G-20 (grupo das 20 maiores economias do mundo), defende que se criem novos mecanismos na Organização Mundial do Comércio (OMC) para estabilizar os preços das commodities agrícolas. Os ministros da Agricultura do G-20 foram convidados a se reunir em Paris para projetar soluções em junho.

Geithner declarou que, embora os Estados Unidos estejam trabalhando com a França nesta questão, são cautelosos com tudo que pode colocar em risco a recuperação da economia após a crise financeira global. “Queremos ser muito cautelosos para trazer equilíbrio a essa perspectiva, para que, no desejo dos políticos de trazer estabilidade aos mercados, não criemos condições que danificarão não só os interesses dos exportadores de commodities, mas o melhor funcionamento das dinâmicas básicas da recuperação”, disse.

“Portanto, não está claro para mim o que a França está realmente propondo.” Geithner acrescentou que o comércio de commodities nos Estados Unidos é realizado num sistema transparente e confiável, o que minimizou a possibilidade de haver especulação nos preços de grãos e cereais – algo que a França afirma ocorrer em outros países.

Na semana passada, a FAO informou que os preços dos alimentos atingiram seu maior nível desde que a agência iniciou a pesquisa, em 1990. A FAO e outra agência da ONU, o Programa Alimentar Mundial (WFP, na sigla em inglês), sugeriram que o problema contribuiu para que ocorressem protestos em países como a Tunísia, onde o governo foi derrubado no mês passado. O alerta surge à luz da grave crise alimentar de 2007 e 2008, quando ocorreram tumultos em diversos países africanos, no Haiti e nas Filipinas, por causa dos preços elevados de alimentos.

(com Agência Estado)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês