Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Facebook e Instagram removem postagens sobre pílulas de aborto nos EUA

O porta-voz da Meta confirmou a proibição de negociações ou doações desses produtos

Por Renan Monteiro Atualizado em 28 jun 2022, 18h38 - Publicado em 28 jun 2022, 15h04

As redes sociais Instagram e Facebook adotaram políticas para a remoção de postagens sobre pílulas destinadas ao aborto nos EUA. A partir da manhã de sexta, 24, após a derrubada do direito constitucional à interrupção da gravidez no país, milhares de postagens sobre pílulas e medicamentos (como mifepristone e misoprostol) circulavam em diversas redes sociais. A empresa de inteligência de mídia Zignal Labs estimou mais de 250.000 menções até domingo.

Segundo a empresa, as redes sociais da companhia Meta (Facebook e o Instagram) começaram a remover algumas dessas postagens ainda na sexta. Em um tweet, o porta-voz da companhia, Andy Stone, confirmou a mudança nas políticas de moderação de conteúdo sobre o tema do aborto. “Não são permitidos conteúdos que tentem comprar, vender, trocar, presentear, solicitar ou doar produtos farmacêuticos”, disse. Por outro lado, o chefe de comunicação da gigante disse ser “permitido conteúdo que discuta a acessibilidade de medicamentos prescritos”. A restrição às informações sobre pílulas abortivas foi acrescentada na política de produtos e serviços restritos

Stone também reconheceu alguns problemas com a aplicação dessa política nas redes sociais da Meta. Foi iniciada a correção. Em geral, as postagens indicavam como as mulheres poderiam obter legalmente os medicamentos pelo correio. Em estados republicanos, determinadas leis preexistentes sobre a proibição do aborto já entraram em vigor, após a decisão da Suprema Corte. 

O tribunal superior anulou, por seis votos a três, o entendimento de Roe versus Wade, precedente de 1973 que declarou o acesso ao aborto um direito constitucional. Com isso, o aborto pode se tornar ilegal, potencialmente, em mais de 20 estados americanos que desejarem impor restrições próprias.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)