Facebook compra Instagram por US$ 1 bi

Por Da Redação - 9 abr 2012, 15h25

Los Angeles (EUA.), 9 abr (EFE).- A rede social Facebook anunciou nesta segunda-feira a compra do aplicativo de imagens para celulares Instagram em uma operação avaliada em US$ 1 bilhão que será efetivada em fins de junho, publicou em seu site a companhia californiana.

A aquisição foi considerada um ‘marco’ pelo executivo-chefe do Facebook, Mark Zuckerberg, cuja empresa realizará o pagamento mediante a combinação de dinheiro e ações da rede social, que deve entrar na Bolsa nos próximos meses.

‘É a primeira vez que adquirimos um produto e uma companhia com tantos usuários. Não planejamos fazer mais operações como estas, se é que vamos voltar a fazer, mas vamos fornecer nossa experiência de compartilhar fotografias, já que esta é uma das razões pelas quais tantas pessoas gostam do Facebook’, justificou Zukerberg em comunicado.

Instagram é um dos aplicativos de edição e publicação de fotos mais populares entre os dispositivos da Apple com mais de 30 milhões de downloads e desde o início do mês está disponível para usuários de Android.

Publicidade

Nas primeiras 12h disponível para Android 1 milhão de downloads foram feitos. Em 2011, o aplicativo foi escolhido o melhor aplicativo para iPhone pela Apple.

Recentemente, a companhia havia sido avaliada em US$ 500 milhões.

Zuckerberg garantiu que a equipe responsável pela Instagram será integrada à estrutura do Facebook e este continuará sendo um aplicativo independente.

‘Temos de ser conscientes da necessidade de manter e reforçar os pontos fortes e as características do Instagram, não é possível simplesmente integrá-lo ao Facebook’, explicou Zuckerberg.

Publicidade

O Facebook deve permitir que a partir do Instagram os usuários possam continuar compartilhando suas fotos em redes sociais distintas.

No site do Instagram seu executivo-chefe, Kevin Systrom, confirmou a operação e afirmou que a ferramenta fotográfica será ‘a mesma’ após a integração ao Facebook.

Instagram estreou no mercado de aplicativos da Apple em 2010. EFE

Publicidade