Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Exportações e aumento de salários são esperança para zona do euro

A balança comercial da zona do euro chegou a um superávit de 10,2 bilhões de euros em outubro e as vendas externas subiram 14%

Por Da Redação 17 dez 2012, 10h13

As exportações da zona do euro saltaram em outubro e os salários cresceram apenas moderadamente no terceiro trimestre, nos mais recentes sinais de que o bloco endividado está recuperando sua capacidade competitiva.

A balança comercial da zona do euro com o resto do mundo chegou a um superávit de 10,2 bilhões de euros (13 bilhões de dólares) em outubro, ante déficit registrado um ano antes, e as vendas externas subiram 14%, informou o escritório de estatísticas da União Europeia, o Eurostat, nesta segunda-feira.

Grécia, Espanha e Portugal, que estão no centro da crise de três anos do bloco, reduziram seus déficits comerciais por ampla margem no período entre janeiro e setembro e a Itália até mesmo chegou a um superávit na comparação com um ano antes.

O comércio com os Estados Unidos, Ásia e América Latina é a maior esperança da zona do euro de evitar uma recessão prolongada em um momento em que os europeus estão sofrendo com o desemprego recorde, cortes de gastos dos governos e redução de pensões e benefícios.

Leia também:

Polônia poderia adotar euro em 2016, diz assessor

Continua após a publicidade

Emprego na zona do euro cai 0,2% no 3º trimestre

Em acordo histórico, UE cria supervisor bancário único

O lado bom é apenas aumentos bastante modestos de salários estão ajudando os países a melhorarem sua competitividade após um boom de uma década alimentado por crédito fácil ter levado a zona do euro a uma falsa sensação de bem estar econômico.

Os custos trabalhistas normais por hora subiram 0,7% na Espanha, 0,8% na Itália e 1,1% em Portugal entre julho e setembro, segundo o Eurostat em comunicado separado. No geral, os custos trabalhistas por hora na zona do euro subiram 2% no trimestre, principalmente por causa de um aumento de 3,3% na Alemanha, o que também é um sinal positivo porque consumidores com mais recursos na maior economia da Europa também podem significar mais consumo de produtos dos países vizinhos.

(com Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês