Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Excêntrico americano faz sucesso com dicas de economia na internet

Conhecido como Mr. Money Mustache, o engenheiro Pete tenta convencer seus seguidores a levar uma vida simples e economizar o máximo de dinheiro possível para abreviar o tempo de serviço

Por Da Redação 2 Maio 2013, 07h50

As dicas financeiras de um norte-americano bigodudo e meio esquisitão estão atraindo milhares de pessoas para seu blog e para sua página no Facebook. Conhecido como Mr. Money Mustache (apelido em inglês que une duas de suas características marcantes: o dinheiro e o bigode), ele está fazendo sucesso como consultor de finanças pessoais na internet.

O que atrai tanta atenção para o senhor bigode é a frugalidade. Com 30 anos, ele parou de trabalhar e se considera “aposentado”. Mr. Money Mustache vive com a mulher e um filho de 7 anos na cidade de Longmont, no centro-oeste dos Estados Unidos, de maneira espartana. Excêntrico, ele informa apenas seu primeiro nome de batismo, Pete, mas preserva o sobrenome pela “privacidade” da família.

Mr. Money Mustache divide na internet sua fórmula sobre como parar de trabalhar cedo – para alguns, a arte do sossego. Para nunca mais pisar num escritório, não é necessário ganhar na loteria nem esperar por heranças milionárias: basta não desperdiçar nada, economizar o máximo que puder e não comprar nada extravagante. Como se vê, não há mágica para o sucesso financeiro muito menos novidade nas dicas de pão-durismo do bigodudo. Mesmo assim, suas dicas são vistas por milhares de pessoas no blog e sua página no Facebook tem quase cinco mil fãs.

A história de Pete é a mesma encontrada em diversos livros de auto ajuda financeira: ganhe bem e poupe tudo o que puder. Engenheiro, recebendo um polpudo salário, ele guardou mais de dois terços do dinheiro recebido. Com as economias, ele comprou um imóvel para alugar e investiu em fundos de ações (ou seja, bolsa de valores, a típica aposentadoria do cidadão americano).

Para sustentar a família gastando pouco, o bigodudo e sua esposa – que também se “aposentou” – compraram uma casa caindo aos pedaços, pararam de frequentar restaurantes e não esbanjaram dinheiro com nada muito caro. “Nós transformamos nossa casa em um lugar legal, íamos para o trabalho de bicicletas e fazíamos nossa comida em casa”, disse ele em entrevista ao The Washington Post.

As despesas básicas de Mr. Money Mustache são pagas apenas com o aluguel da casa que ele comprou quando era mais jovem. Os 25 mil dólares que ele recebe anualmente de aluguel – pouco mais de 2.000 dólares por mês – são exatamente o que a sua família pode gastar. O dinheiro aplicado em investimentos rende bons dividendos. No entanto, como o custo de vida da família é baixo, Mr. Money Mustache reinveste os lucros.

O exemplo dos pais parece ter contagiado o filho. O garoto, ao que tudo indica, tem tudo para seguir o mesmo estilo de vida. “Ele pedala até escola, faz seus próprios brinquedos e tem um cofrinho cheio. Espero que essa tendência se mantenha”, disse o pai, orgulhoso.

Continua após a publicidade

Desperdício – Os ideais da classe média norte-americana são alvo da ira do bigodudo. Para ele, as pessoas “gastam muito dinheiro com besteiras”. “O pessoal vai trabalhar com carros chiques, desembolsa 100 dólares pelo privilégio de desperdiçar quatro horas assistindo à TV a cabo à noite e paga por aulas de ioga, e depois se queixam que a vida é difícil”, afirmou ele.

Mr. Money Mustache também acredita que as pessoas que o cercam buscam a felicidade de forma errada. “É importante perceber que a felicidade vem de conquistas e crescimento pessoal e não de produtos luxuosos. As pessoas têm que entender que, do jeito que estão, são uns manés. É preciso ser otimista. E, claro, andar de bicicleta”, disse na entrevista.

Mais do que lições de aposentadoria, Mr. Money Mustache parece querer vender um estilo de vida menos consumista para uma sociedade que aprende a comprar desde cedo.

Leia também:

Desde 1938 Walter Orthmann trabalha na mesma empresa

STF: quem adiou aposentadoria tem direito a revisão de benefício

Governo corre para brecar proposta de desaposentadoria

Continua após a publicidade
Publicidade