Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Ex-premiê grego diz que deixar o euro seria “catastrófico”

Por Da Redação 7 jun 2012, 19h09

Por Steve Slater e Jamie McGeever

COPENHAGUE, 7 Jun (Reuters) – O ex-premiê grego Lucas Papademos disse na quinta-feira que uma eventual saída da Grécia da zona do euro seria “catastrófica”, e que o país deveria “manter o rumo” das dolorosas reformas econômicas.

“As consequências econômicas gerais de uma saída grega do euro seriam desastrosas, ou, para usar uma palavra grega, catastróficas”, disse Papademos, também ex-vice-presidente do Banco Central Europeu, em discurso no Instituto Internacional de Finanças, em Copenhague.

Papademos disse, no entanto, que os credores internacionais deveriam aliviar as condições impostas ao país em troca de ajuda para sua recuperação financeira.

“À luz dos fatos recentes, acredito que seria apropriado ampliar o horizonte do processo de ajuste fiscal em pelo mais um ano”, afirmou.

Continua após a publicidade

A Grécia vai às urnas em 17 de junho, numa eleição vista como um referendo sobre as medidas de austeridades e a permanência na zona do euro. “Hoje a Grécia está numa encruzilhada crítica”, afirmou Papademos.

Segundo ele, um resultado eleitoral que precipite a exclusão do país da moeda comum seria uma “derrota nacional”, por mostrar que a Grécia não soube colocar ordem fiscal na casa.

Teoricamente, deixar a zona do euro daria mais flexibilidade ao país para estabelecer sua política fiscal, mas o ex-premiê alertou que isso elevaria a inflação para acima dos 10 por cento, causaria estresse no sistema bancário e dificultaria o acesso das empresas gregas aos mercados de capital.

Papademos disse apoiar a criação de um nova autoridade tributária independente. “A luta contra a evasão fiscal deve finalmente ser ganha”, afirmou ele, acrescentando que isso exige vontade política e mudanças institucionais.

O político foi primeiro-ministro de novembro de 2011 a maio de 2012, período em que participou da tentativa de reestruturação da dívida nacional, que é de 206 bilhões de euros (250 bilhões de dólares).

(Reportagem Steve Slater e Jamie McGeever)

Continua após a publicidade
Publicidade