Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Eurozona apoia reforma financeira da Espanha mas exige auditoria de bancos

Bruxelas, 14 mai (EFE).- A eurozona apoiou nesta segunda-feira a reforma financeira do governo espanhol para sanear os bancos do país, mas pediu que o país acelere a auditoria externa dos ativos imobiliários e dos balanços dos setor.

‘Cumprimentamos as medidas anunciadas na sexta-feira por parte das autoridades espanholas para reformar o setor financeiro com o objetivo de aumentar a confiança dos investidores e resolver as vulnerabilidades restantes do setor bancário’, afirmou o presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker, ao final da reunião dos ministros de Economia e de Finanças da zona do euro.

‘Damos boas-vindas às medidas e as apoiamos plenamente’, acrescentou Juncker, que também é primeiro-ministro de Luxemburgo. O ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos, afirmou que os países da eurozona apoiaram ‘absolutamente’ sua reforma financeira.

De Guindos assegurou que encontrou nos parceiros europeus o apoio e a cooperação que esperava, pois ‘temos que buscar soluções conjuntas a uma situação que é complexa, especialmente causada pela situação da Grécia’.

O ministro defendeu que a Espanha ‘fez tudo o que tinha que fazer’ e frisou que a cooperação de todos os países da zona do euro é ‘vital’ neste ‘momento difícil’.

Apesar da satisfação expressada por De Guindos, o Eurogrupo pediu que a Espanha ‘acelere’ a auditoria externa dos ativos imobiliários e dos balanços dos bancos, apesar do governo já ter encarregado duas entidades independentes para fazer uma avaliação da carteira de créditos do setor.

A eurozona também pediu ao governo espanhol que ‘tome as medidas necessárias para criar mecanismos de ajuda aceitáveis em caso de necessidade’.

De Guindos disse que o Estado poderia oferecer a juros anuais ajudas de até 15 bilhões de euro, embora este número inclui o empréstimo de 4,465 bilhões de euros feito pelo Fundo de Reestruturação Ordenada Bancária (FROB) em 2010, que não foi pago e se transformou em ações.

Ao ser perguntado se a Espanha dispõe de dinheiro para fazer frente às necessidades dos bancos ou se acha que o país precisará recorrer ao fundo de resgate europeu, Juncker assegurou que o governo ‘fará o que tem que fazer’.

‘A rapidez é essencial na atual situação’ de pressão dos mercados financeiros sobre a bolsa, os bancos e a dívida soberana, explicou.

O prêmio de risco espanhol, o diferencial entre o bônus nacional a 10 anos e o alemão de mesmo prazo, disparou hoje até 478 pontos básicos, a posição mais alta atingida no fechamento de um pregão desde a implantação do euro.

A bolsa espanhola caiu 2,66% e registrou um novo mínimo anual (6.809,40 pontos), nível de outubro de 2003, afetada pela situação dos bancos e o temor de que a Grécia abandone o euro.

Na opinião do Eurogrupo, a reforma financeira, que exigirá dos bancos espanhóis recursos de 30 bilhões de euros adicionais por sua exposição imobiliária teoricamente saudável, somada a uma consolidação fiscal determinada e a aplicação imediata de reformas estruturais causará ‘a volta da economia espanhola ao crescimento sustentável e a criação de empregos’.

O vice-presidente da Comissão Europeia, Olli Rehn, reiterou que a reforma financeira contém ‘medidas importantes que deveriam eliminar as dúvidas sobre sua estabilidade’.

‘Uma reforma rápida e profunda do setor bancário é a pedra angular da resposta da Espanha à crise’, disse. Rehn acrescentou que a reforma financeira se soma a consolidação fiscal e as reformas estruturais, o que pode ‘gerar um crescimento sustentável e mais e melhores empregos, o que é nossa prioridade’.

Apesar dos problemas da eurozona e da Espanha, o Eurogrupo ratificou sua estratégia de consolidação, que ‘continua sendo apropriada e seguirá sendo a pedra angular de nosso plano para corrigir os desequilíbrios fiscais e macroeconômicos, superar a crise e retornar a um caminho de crescimento sustentável’, explicou Juncker.

A eurozona insistiu que não há nenhuma contradição entre a consolidação fiscal e políticas de crescimento. Neste sentido, Juncker ressaltou que ‘chegou o momento para um debate substancial’ sobre o tema. EFE