Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Europa propõe agência para salvar ou fechar bancos com problemas

Contudo, ideia poderia esbarrar na dificuldade de constituição de um fundo de apoio aos processos

Por Da Redação 10 jul 2013, 11h34

A Comissão Europeia propôs nesta quarta-feira a criação de uma agência que decidiria, junto com o Banco Central Europeu (BCE), salvar ou fechar bancos com problemas financeiros, o segundo pilar de uma “união bancária” que pretende dar uma resposta à crise.

“Nós temos visto como o colapso de um grande banco multinacional pode levar a uma situação complexa e confusa”, disse Michel Barnier, comissário a cargo da regulação. “Nós precisamos de um sistema que possa entregar decisões de forma rápida e eficiente, evitando dúvidas sobre o impacto nas finanças públicas, e com regras que criem segurança no mercado.”

Sua criação depende de aprovação de todos os estados da União Europeia e o órgão quer que a agência seja criada em 2015. A ideia é que ela tenha o poder de impor perdas aos credores de bancos com problemas.

Leia mais: Zona do euro e FMI concordam em conceder € 4,8 bi à Grécia

BCE aumenta projeção de recuo da economia da zona do euro

Contudo, a ausência de um fundo de apoio imediato para ajudar as instituições pode dificultar o trabalho. O plano prevê que os bancos levantem entre 55 bilhões e 70 bilhões de euros em orçamento para a agência, o que pode levar uma década para ser feito, deixando a agência, em grande parte, dependente dos esquemas nacionais.

Continua após a publicidade

Desde o ano passado os líderes europeus discutiam a união bancária da região. A ideia inicial era criar um supervisor único para os bancos da zona do euro. A criação do órgão permitiria a recapitalização direta das instituições financeiras nos países mais afetados pela crise da dívida europeia, como a Espanha.

Leia mais:

BCE mantém juros em 0,5% diante de crise

Segunda prévia confirma queda de 0,2% do PIB da eurozona no 1º tri

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade