Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Europa atinge acordo fiscal sem o apoio da Grã-Bretanha

Por Por María Lorente 9 dez 2011, 15h50

Os dirigentes europeus chegaram nesta sexta-feira a um acordo para reforçar a disciplina fiscal na Eurozona, que, apesar de não contar com o apoio da Grã-Bretanha, foi bem recebido pelos mercados.

“Fora um deles, todos os países da UE deverão participar” do pacto por uma nova união fiscal europeia, disse o chefe da UE, Herman Van Rompuy, ao término da reunião.

O chamado encontro do “tudo ou nada” atingiu resultados positivos, disseram o Banco Central Europeu (BCE), França e Alemanha após as dez horas de negociações.

Com isso, as principais bolsas europeias fecharam a sexta-feira com fortes altas.

O principal índice da Bolsa de Londres, o Footsie-100, ganhou 0,83%, fechando aos 5.529,21 pontos. O CAC 40 de Paris subiu 2,48%, aos 3.172,35 pontos. Em Frankfurt, o índice DAX subiu 1,91%, aos 5.986,71 pontos. O IBEX 35 de Madri ganhou 2,23%, aos 8,649,7 pontos, e o índice FTSE Mib de Milão avançou 3,37%, a 15.484 pontos.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, do setor mais eurocético de seu partido, rompeu abruptamente um período de trégua com a União Europeia (UE) ao bloquear o projeto, alegando a falta de garantias para seu país.

Continua após a publicidade

“Preferiríamos um acordo dos 27” países da União Europeia, disse por sua vez o presidente francês, Nicolas Sarkozy. “Contudo, isso não foi possível devido aos nossos amigos britânicos”, explicou.

Apesar da não participação, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse que a Grã-Bretanha não está excluída da UE. “Somos um membro relevante do mercado único”, disse Cameron em entrevista televisada de Bruxelas, antes de seu retorno a Londres.

A princípio relutantes, os outros nove países da União Europeia que não formam parte da Eurozona devem assinar os acordos.

São eles Bulgária, República Tcheca, Dinamarca, Hungria, Letônia, Lituânia, Polônia, Romênia e Suécia. Segundo a declaração revisada divulgada ao final da reunião, esses países “manifestaram a possibilidade de participar deste processo depois de consultarem seus Parlamentos”.

Em Bruxelas, muitos são os que se surpreenderam com o fato de que este enfrentamento entre Cameron e seus sócios comunitários tenha levado tanto tempo para acontecer desde sua chegada ao governo britânico, em maio de 2010.

Eleito com um programa reticente com a UE, no qual pedia que fossem reexaminadas as relações entre Londres e Bruxelas, o líder conservador se distinguiu rapidamente por suas reservas com relação a UE.

Entre as principais medidas adotadas pela UE nesta sexta-feira estão o empréstimo de 200 bilhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI), o adiantamento da implantação do Mecanismo de Estabilidade Financeira (MEDE) e um acordo para chegar a um pacto fiscal e governança reforçada para estimular a disciplina orçamentária, do qual só a Grã-Bretanha ficará de fora.

Continua após a publicidade

Publicidade