Clique e assine a partir de 9,90/mês

Eurogrupo aprova 2º pacote de resgate à Grécia

Por Da Redação - 12 Mar 2012, 20h51

Bruxelas, 12 mar (EFE).- O Eurogrupo – fórum de ministros de Economia da zona do euro – aprovou o segundo resgate financeiro à Grécia, embora a formalização do pacote de 130 bilhões de euros, previsto para quarta-feira, dependa da ratificação em nível nacional.

‘Decidimos politicamente e como princípio que o programa seja adotado’, assinalou em entrevista coletiva após a reunião o presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker, também primeiro-ministro de Luxemburgo.

O segundo resgate será oficialmente formalizado na reunião dos ministros-adjuntos de Finanças da zona do euro para avaliar se todos os procedimentos nacionais necessários para a concessão do empréstimo foram adotados, explicou Juncker.

O Eurogrupo avaliou o êxito da operação da troca de bônus entre o Governo grego e os credores privados para perdoar a metade da dívida helena em suas mãos.

Continua após a publicidade

De fato, ressaltou Juncker, após esta operação, a ‘troika’ – a Comissão Europeia, o Fundo Monetário Internacional e o Banco Central Europeu – calcularam que a Grécia poderá baixar sua dívida de 160% do Produto Interno Bruto (PIB) para 117% em 2020, abaixo do percentual de 120,5% inicialmente previsto.

No entanto, o Eurogrupo advertiu a Grécia que a margem que fica ‘não deve ser gasta’ pelas autoridades, mas ser preservada para qualquer imprevisto.

Além disso, o ministro heleno, Evangelos Venizelos, garantiu aos seus colegas europeus que não haverá compensação direta ou indireta a nenhuma parte que participou da troca de bônus.

‘Este é um aspecto essencial, porque se a Grécia compensar alguns, todos os países da zona do euro teriam o mesmo problema, porque recebemos milhares de cartas de banqueiros pedindo compensações pelo perdão’, afirmou Juncker.

Continua após a publicidade

Venizelos expressou sua disposição em submeter ao Parlamento grego nas próximas semanas projeto de lei para garantir que Atenas de prioridade ao pagamento da dívida e que este poderia ser aprovado em abril.

O novo resgate, que chega a 130 bilhões de euros, – a Grécia ainda tem a receber 34,4 bilhões de euros do primeiro resgate aprovado em maio de 2010 – fornecerá financiamento à Grécia até 2014.

‘Trata-se de um montante sem precedentes de financiamento oficial’, assinalou o presidente do Eurogrupo, quem reiterou que ‘aconteça o que acontecer, a Grécia será um membro da eurozona’.

‘Seu futuro está sem dúvida na eurozona’, ressaltou.

Continua após a publicidade

‘Isto é uma segunda oportunidade para a Grécia, uma oportunidade que não pode desperdiçar’, insistiu Juncker.

O Eurogrupo espera que o conselho executivo do FMI aprove na quinta-feira contribuição de 28 bilhões de euros ao segundo resgate, embora seja inferior ao um terço que normalmente apresenta.

Por sua parte, o vice-presidente da Comissão Europeia e comissário de Assuntos Econômicos e Monetários, Olli Rehn, afirmou que o sucesso do segundo resgate ‘dependerá essencialmente da implementação inquebrantável (dos ajustes e as reformas) e da unidade política nesta crise. EFE

Publicidade