Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

EUA têm déficit de US$ 51 bilhões na balança comercial em março

O resultado do mês foi maior do que o déficit de abril, quando as importações superaram exportações em US$ 46 bilhões

Por Da Redação 10 Maio 2012, 10h22

Os Estados Unidos tiveram déficit da balança comercial em março na ordem de 51,83 bilhões de dólares, 14,1% superior ao mês anterior, de 44,42 bilhões de dólares, segundo Departamento Comercial americano informou nesta quinta-feira.

Economistas previam um déficit de 50 bilhões de dólares para o quarto mês do ano. Houve aceleração das importações, enquanto as compras provenientes da China, um dos principais parceiros comerciais dos Estados Unidos hoje não conseguiram segurar um desempenho diferente.

América Latina – O superávit dos países da América Latina e do Caribe no comércio de bens com os Estados Unidos cresceu 5,1% de fevereiro a março e ficou em 6,784 bilhões de dólares, informou o Departamento de Comércio.

O superávit latino-americano e caribenho representou em março passado 11,8% do déficit no comércio de bens dos EUA, que nesse mês somou 57,45 bilhões de dólares. México, Colômbia e Venezuela continuam com superávit, enquanto Argentina, Chile e Brasil estão em déficit.

Nos três primeiros meses deste ano o superávit latino-americano e caribenho somou 18,08 bilhões de dólares, comparados com os 17,116 bilhões de dólares do mesmo período de 2011.

Brasil e Argentina- O déficit do Brasil aumentou, de 500 milhões de dólares em fevereiro a 682 milhões de dólares no mês seguinte, mas diminuiu o valor negativo acumulado no primeiro trimestre em comparação ao mesmo período do ano passado: 1,234 bilhão de dólares frente aos 3,464 bilhões de dólares.

O déficit da Argentina com os Estados Unidos passou de 105 milhões de dólares em fevereiro a 328 milhões de dólares em março. No primeiro trimestre a Argentina acumulou um saldo negativo em seu comércio de bens com os EUA de 1,024 bilhões de dólares, comparado com os 909 milhões de dólares dos três primeiros meses de 2011.

Continua após a publicidade
Publicidade