Clique e assine a partir de 9,90/mês

EUA têm a maior criação de vagas em 3 anos em novembro

Foram criadas 321 mil vagas fora do setor agrícola no mês passado e a taxa de desemprego permaneceu estável em 5,8%

Por Da Redação - 5 dez 2014, 15h16

A criação de vagas de trabalho nos Estados Unidos atingiu, em novembro, o maior número em quase três anos e os salários aumentaram, o que pode deixar o banco central mais perto de elevar a taxa de juros.

Foram criadas 321 mil vagas fora do setor agrícola no mês passado, maior número desde janeiro de 2012, informou o Departamento do Trabalho nesta sexta-feira. A taxa de desemprego permaneceu na mínima de seis anos de 5,8%. Os dados de setembro e outubro foram revisados para mostrar 44 mil vagas a mais do que divulgado anteriormente. Economistas consultados pela Reuters esperavam criação de apenas 230 mil vagas.

Novembro marca o 10º mês seguido em que a criação de vagas supera 200 mil, a mais longa série desde 1994, confirmando que a economia está enfrentando bem as desacelerações na China e na zona do euro, bem como a recessão no Japão.

Leia também:

Continua após a publicidade

Mulheres deveriam ganhar 10% a mais que os homens no Brasil, diz estudo

Obama anuncia Ashton Carter para chefiar o Pentágono

Há sinais que o fortalecimento das condições do mercado de trabalho começam a provocar crescimento mais rápido dos salários, importante fator que determinará o momento da primeira alta de juro pelo Federal Reserve, banco central norte-americano.

Os ganhos médios por hora subiram 9 centavos em novembro, representando alta de 2,1% ante o ano anterior – ainda bem abaixo do aumento de 3% ou mais que, segundo economistas, deixará o Fed confortável em elevar os juros do atual nível perto de zero, onde estão desde dezembro de 2008. Muitos economistas acreditam que o Fed irá aguardar até meados de 2015 para elevar os juros.

Continua após a publicidade

Detalhes do relatório de emprego de novembro foram positivos. A maioria das medidas que a presidente do Fed Janet Yellen acompanha para avaliar a capacidade ociosa no mercado de trabalho mostra melhora.

Uma medida ampla de emprego que inclui pessoas que querem trabalhar mas desistiram de procurar e aquelas que trabalham meio período porque não conseguiram encontrar trabalho de período integral caiu para nova mínima de seis anos de 11,4%, ante 11,5% em outubro. Os números de desempregados de longo prazo também estão diminuindo.

A taxa de participação da força de trabalho, ou fatia de norte-americanos em idade de trabalho que estão empregados ou ao menos procurando serviço, permaneceu em 62,8%.

A criação de vagas foi generalizada, com o setor de varejo contratando 50,2 mil em antecipação à temporada de compras de Natal. A criação de vagas na indústria e na construção acelerou em outubro, e o setor público acrescentou 7 mil vagas.

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade