Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

EUA: taxa de desemprego fecha ano a 7,8%

Segundo dados oficiais, em dezembro, 155 mil pessoas conseguiram trabalho no país, mas taxa permaneceu inalterada ante novembro

Por Da Redação 4 jan 2013, 11h10

Cerca de 155 mil novos empregos foram criados nos Estados Unidos em dezembro, conforme dados do escritório oficial de estatística do Deparmento do Trabalho americano (Labor Department’s Bureau of Labor Statistics), divulgados nesta sexta-feira.

Contudo, a taxa de desempregados continua em 7,8% no último mês do ano, a mesma de novembro. O Departamento do Trabalho elevou sua estimativa para taxa de desemprego nono mês de 7,7% para 7,8%, citando uma leve mudança nas movimentações sazonais do mercado de trabalho.

Os dados ficaram aquém dos níveis necessários para reduzir a taxa de desemprego do país, mas mostram sinais de melhora na dinâmica de recuperação do mercado de trabalho após a recessão de 2007/09.

Os postos de trabalho foram abertos, principalmente, nas áreas de saúde, indústria, construção civil e serviços de alimentação, informou o centro de estatísticas. O setor público cortou 13 mil postos de trabalho no mês, mas foi compensado pela criação de empregos pelo setor privado.

O total de pessoas desocupadas ficou em 12,2 milhões, praticamente estável em relação a novembro. A média de criação de empregos mensal em 2012 foi de 153 mil vagas. Mas, ainda paira sobre a economia o temor sobre o impacto de novos cortes de empregos públicos, que devem começar em março.

O relatório reforça as expectativas de crescimento econômico de 2% neste ano, o que não deve reduzir rapidamente a taxa de desemprego. “A economia dos EUA está crescendo sem brilho”, disse o diretor da Navigate Advisors, Tom di Galoma. A maioria dos economistas estima que o crescimento da economia dos EUA será contido por aumentos tributários neste ano assim como pela fraqueza dos gastos das famílias e empresas, que ainda tentam reduzir seu fardo de dívida.

Leia também:

Com ‘abismo fiscal’ sanado, crise da dívida assombra EUA

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade