Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

EUA: desemprego deve manter-se em 9% em 2012

Por Justin Sullivan
13 set 2011, 15h51

A taxa de desemprego nos Estados Unidos, que ficou 9,1% em agosto, deve permanecer em torno de 9,0% no ano que vem e o crescimento se recuperará para cerca de 2,5%, disse nesta terça-feira o Escritório de Estatísticas do país (The Census Bureau).

Segundo o diretor da divisão de orçamento do escritório, Douglas Elmendorf, o país ficará “bem abaixo de seu potencial econômico por vários anos”.

O crescimento débil, esperado para 1,5% este ano, significa que haverá uma lenta criação de postos de trabalho, disse Elmendorf a uma recém-criada comissão legislativa para redução do déficit fiscal Federal.

Os dados e consenso de previsões “sugerem que o crescimento econômico para o resto do ano e o próximo será provavelmente pior do que o antecipado pela agência”, disse.

Continua após a publicidade

As previsões não incluem o plano de resgate ao emprego do presidente Barack Obama de 447 bilhões de dólares, que foi apresentado ao Congresso e enfrenta resistência dos republicanos.

Segundo o mesmo organismo, o número de pessoas que vive abaixo da linha de pobreza voltou a aumentar nos Estados Unidos em 2010, para 15,1%, seu nível mais alto desde 1993.

Em termos absolutos, 46,2 milhões de pessoas viviam na pobreza em 2010, a cifra mais alta em 52 anos, anunciou o escritório através de um relatório.

Continua após a publicidade

Este aumento anual, o quarto consecutivo, mostra que o número de pessoas que vive abaixo da linha de pobreza cresceu 14,3% em relação a 2009.

Nos Estados Unidos, se entende por pobreza uma renda anual de até 22.314 dólares para uma família de quatro membros, ou de até 11.139 dólares para uma só pessoa.

Além disso, o escritório revelou que o número de pessoas sem cobertura médica alcançou 49,9 milhões em 2010 (16,3%), contra 49 milhões em 2009.

Continua após a publicidade

Este relatório derruba a ideia de que a situação econômica dos americanos tenha melhorada nos últimos anos, sendo que a renda real média caiu 6,4% em 2010 em relação à renda anterior à recessão de 2007.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.