Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

EUA apoiarão Azevêdo na revitalização da OMC

Para porta-voz americana, brasileiro é bom negociador e conhece bem a organização

Por Da Redação
12 jun 2013, 18h46

Na avaliação da consulesa-geral adjunta dos Estados Unidos, Samantha Carl-Yoder, o brasileiro Roberto Azevêdo, que assumiu o cargo de diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), é um negociador importante e sabe como o órgão funciona. “Esperamos que ele tenha a oportunidade de revitalizar a instituição e estamos dispostos a trabalhar com ele para fazer isso”, afirmou, após participar de evento que debateu o futuro acordo de livre-comércio entre EUA e Europa, na Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP).

Segundo a consulesa, os EUA têm o compromisso para o comércio livre no mundo. “Queremos fazer isso com acordos bilaterais e também dentro da OMC”, disse, reforçando que acredita no fortalecimento das relações comerciais com o Brasil. “Temos mais de 30 diálogos bilaterais com o Brasil, em várias áreas.”

A consulesa destacou que a relação entre Brasil e EUA tem ultrapassado o âmbito governamental e se aprofundado entre empresas. “Temos laços fortes e estamos criando áreas além do comércio direto”, afirmou. Segundo Samantha, somente neste ano cinco ou seis governadores norte-americanos virão com delegações empresariais para o Brasil. “Eles querem saber mais sobre o Brasil.”

Leia mais:

EUA e Europa cobram de Azevêdo uma OMC ‘para todos’

Continua após a publicidade

Azevêdo promete restaurar papel-chave da OMC

Samantha lembrou a afirmação feita pelo vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em recente visita ao Rio de Janeiro, quando ele disse de que “não há razões para que não tenhamos um comércio bilateral de US$ 500 bilhões ao ano (hoje, é alto em torno de 150 bilhões de dólares). “Estamos trabalhando com o governo brasileiro para criar uma área de investimentos bilaterais e fortalecer esses negócios. Estamos amadurecendo”, reforçou.

Modelo brasileiro – Para Samantha, como qualquer outro parceiro comercial, o Brasil tem peculiaridades que criam “desafios e não dificuldades”para as transações entre os dois países. “O Brasil é hoje o nosso oitavo parceiro comercial. Os desafios são basicamente a diferença entre regras, como a definição dos impostos. Trabalhamos para eliminar a burocracia.” A consulesa destacou que o Brasil é “uma historia de sucesso inspiradora”. “O País levou milhares de pessoas para a classe média, produz tudo, desde commodities até aviões,”, afirmou.

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.