Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

EUA acusam HSBC de permitir lavagem de dinheiro

Investigação do Senado americano aponta que recursos oriundos do narcotráfico mexicano passaram pelo banco devido a controle vulnerável

Por Da Redação 17 jul 2012, 06h08

Maior banco da Europa e segundo maior do mundo de acordo com o ranking da revista Forbes, o HSBC permitiu que o narcotráfico mexicano o utilizasse para lavar o dinheiro sujo da venda de drogas, aponta um relatório do Subcomitê de Investigação Permanante do Senado dos Estados Unidos divulgado nesta terça-feira.

Segundo o documento, a lavagem do dinheiro das drogas foi possível devido a “mecanismos frouxos de controle” do banco britânico. Os senadores localizaram ainda fundos supeitos da Síria, Irã, Arábia Saudita e Ilhas Cayman que passaram pela instituição financeira sem que sua origem fosse levada em conta.

O relatório afirma ainda que o órgão regulador bancário americano, o Escritório Controlador da Moeda (Office of the Comptroller of the Currency), falhou em monitorar adequadamente o HSBC. As conclusões vieram após um ano de investigação e a revisão de 1,4 milhão de documentos, além de entrevistas com 75 funcionários do banco e do órgão regulador.

Desculpas – Uma audiência sobre o caso está marcada para ocorrer nesta terça-feira no Senado americano. A expectativa é que vários executivos do HSBC sejam ouvidos, entre eles o diretor jurídico Stuart Levy, ex-funcionário do Departamento do Tesouro dos EUA especializado no combate ao terrorismo e finanças irregulares.

Em um comunicado divulgado antes da audiência, o diretor-executivo do HSBC, Stuart Gulliver, pediu desculpas pelas falhas do banco e assumiu possíveis consequências. “É certo que seremos responsabilizados e assumiremos a responsabilidade de consertar o que houve de errado”, declarou.

“Assim como responder as questões do comitê, iremos explicar as mudanças significativas que já fizemos para fortalecer nosso controle e nossa infraestrutura e cultura de gestão de risco”, completou.

Multas – O pedido de desculpas e o compromisso em melhorar a ficalização do dinheiro aplicado no banco podem não ser suficientes para o HSBC se ver livre do caso. Recentemente, o governo dos EUA exigiu o pagamento de altas somas de bancos acusados de permitir que dinheiro do narcotráfico fosse lavado ou efetuar transações proibidas por sanções comerciais.

Em 2010, o Wachovia pagou 160 milhões de dólares para compensar transações ilegais com dinheiro da venda de drogas. No mês passado foi a vez do ING ter que desembolsar 619 milhões por ter violado o embargo a Cuba e ao Irã.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)