Clique e assine a partir de 9,90/mês

Estiagem afeta fluxo de veículos pesados no PR e RS

Por Da Redação - 10 jul 2012, 13h53

Por Francisco Carlos de Assis

São Paulo – O impacto da estiagem sobre a produção agrícola nos Estados do Paraná e Rio Grande do Sul afetou o fluxo dos veículos pesados em junho, segundo o Índice ABCR, da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR), calculado em parceria com a Tendências Consultoria Integrada.

O fluxo total dos pesados pelas estradas pedagiadas do País no mês passado avançou 1% em relação a maio. Nas estradas gaúchas o movimento até cresceu, 0,8%, mas poderia ter apresentado um resultado mais forte. Já nas estradas paranaenses o movimento foi 0,2% menor que no mês anterior. Nas estradas pedagiadas de São Paulo e do Rio de Janeiro, o fluxo de veículos pesados em junho cresceu 1,2% e 0,6%, pela ordem.

No Rio Grande do Sul, o fluxo total de veículos em junho recuou 0,2% na comparação com maio, e o movimento dos leves recuou 0,3%. Sobre junho do ano passado, o fluxo total de veículos nas estradas gaúchas cresceu 5,7%, com os leves subindo 8,1%, e os pesados, 0,3%.

Continua após a publicidade

O fluxo total no Paraná encerrou junho com queda de 0,3% ante maio. A circulação dos leves ficou praticamente estável, com ligeira queda de 0,1% ante maio. Na comparação com junho do ano passado, o fluxo total cresceu 0,4%, com a movimentação dos leves crescendo 1,5% e a dos pesados, recuando 1,3%.

Pelas estradas paulistas sob administração privada, o movimento total de veículos em junho cresceu 0,4% em relação a maio e o dos leves avançou 0,3%. No confronto com junho de 2011, o fluxo total de veículos nas estradas paulistas cresceu 1%, o de leves avançou 1,7% e o dos pesados caiu 0,9%.

Nas estradas fluminenses, o fluxo total de veículos em junho ficou praticamente estável, com ligeiro crescimento de 0,1%. Os leves caíram 0,1%. Em relação a junho do ano passado, a movimentação total de veículos nas estradas sob concessão no Rio cresceu 2,1%, a dos leves avançou 2,4% e a dos pesados, 1,2%.

Publicidade