Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Estatais acumulam 50% do déficit de fundos de pensão

Saldo negativo de entidades públicas em planos de previdência é de R$ 27,6 bi. Fundações da Caixa, Petrobras, BNDES e Correios tem déficit de R$ 14,6 bi

Por Da Redação 19 dez 2014, 13h27

Metade do déficit dos fundos de pensão do país vem de planos de previdência de empresas estatais. Segundo informações publicadas pelo jornal Valor Econômico, o saldo negativo de planos destas companhias é de 27,6 bilhões de reais. Só as fundações dos funcionários da Caixa (Funcef), da Petrobras (Petros), do BNDES (Fapes) e dos Correios (Postalis) acumulam um resultado negativo de 14,6 bilhões de reais.

A associação que reúne os fundos de pensão, a Abrapp, diz que a maioria dessas entidades apresenta um déficit conjuntural provocado pela queda na taxa de juros em 2013. Ainda segundo a associação, o cenário no curto prazo não deve melhorar e as fundações não atingirão a meta de rentabilidade prevista para 2014, de 12%, equivalente a IPCA mais 5,5%. Em 2013, a rentabilidade foi de 3,23%, ante meta de 11,63%.

Leia mais:

Previsão de rombo na Previdência sobe para R$ 49 bi

Governo muda lei para fechar contas da Previdência Social

Governo reduz projeção de PIB para 0,5% em 2014

O cenário preocupa o governo, já que parte da conta dessas estatais pode sobrar para os cofres públicos justamente em um momento em que a prioridade do Executivo é o corte de gastos. Com isso, segundo o Valor, a Caixa deve começar a fazer aportes extras em um de seus planos em breve, e os Correios terão que aumentar as contribuições adicionais que já fez desde 2013.

Segundo as regras dos fundos de pensão, os resultados deficitários devem ser equacionados de forma paritária, ou seja, entre empresas e participantes. Com isso, o saldo negativo também é motivo de preocupação de funcionários, especialmente os que já se aposentaram e que podem ter o seu benefício reduzido.

Continua após a publicidade
Publicidade