Clique e assine com 88% de desconto

Espanha emite 4,9 bilhões de euros para financiar regiões

Seis comunidades autônomas espanholas já pediram ajuda ao governo central. A Catalunha solicitou novo empréstimo nesta quinta-feira

Por Da Redação - 11 out 2012, 18h08

A Espanha fez nesta quinta-feira uma colocação de 4,9 bilhões de euros (6,3 bilhões de dólares) em bônus junto a bancos para engordar um fundo criado para ajudar as regiões do país que enfrentam dificuldades financeiras, o chamado Fundo de Liquidez Autônomo. Em outras palavras, Madri teve se endividar ainda mais para, de forma indireta, ajudar governos regionais que lutam, justamente, para reduzir seu endividamento.

Entre as 17 regiões autônomas da Espanha, seis já pediram ajuda ao governo central: Catalunha, Andaluzia, Castela-La Mancha, Canárias, Múrcia e Valência. Nesta quinta-feira, a Catalunha, que já tinha pedido dinheiro, solicitou um novo empréstimo.

Leia mais:

Catalunha pede mais dinheiro ao governo espanhol

Publicidade

Dirigentes regionais espanhóis comprometem-se a cumprir meta de déficit

As regiões já não cumpriram suas metas de déficit em 2011 e espera-se que o mesmo aconteça neste ano. As comunidades autônomas espanholas – que administram grandes recursos por terem competências nas áreas de saúde e educação – viram-se obrigadas a realizar cortes profundos neste ano para poder cumprir o objetivo de déficit, o que aumentou o mal-estar social.

A emissão do governo espanhol, que será concluída em 17 de outubro, inclui bônus com vencimento em 2015, 2016 e 2017 e segue-se a uma colocação privada que foi bem-sucedida em setembro. Bancos espanhóis contribuíram com 8 bilhões de euros para o fundo de 18 bilhões de euros, por meio de colocações privadas. A quantidade restante é composta por 6 bilhões de euros de financiamento lotérico e um pagamento de 4 bilhões de euros do Tesouro. Em setembro, fontes disseram a jornalistas que os bancos Santander, BBVA e Caixabank contribuiram com a maior parte do componente bancário do fundo.

(com agência Reuters)

Publicidade