Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

BRF enfrenta duas crises: maus resultados e denúncias de fraudes

Gigante dono das marcas Sadia e Perdigão, a BRF foi engolida por investigações da Polícia Federal sobre fraudes no controle sanitário dos frigoríficos

Abilio Diniz é um dos nomes mais estrelados do empresariado brasileiro. Herdou o controle do Pão de Açúcar e conduziu a empresa familiar à liderança do varejo brasileiro. Comandou o grupo até 2013, quando se viu obrigado a entregar o controle ao sócio francês Casino. Naquele mesmo período, apareceu diante dele a oportunidade de se associar a outro gigante nacional: a BRF, dona de marcas tradicionais, como Sadia e Perdigão, e responsável por 40% das exportações de carne de aves do país.

Além de sua participação acionária, Abilio Diniz foi indicado para assumir a presidência do conselho de administração. O convite partiu da Tarpon, uma empresa de investimentos que é a terceira maior acionista individual da BRF. O objetivo era transformá-la em uma “Ambev dos alimentos”. Parecia uma grande ideia, mas não deu nada certo. Sob a liderança de Diniz e dos novos gestores escolhidos pela Tarpon, a BRF acumulou prejuízo de 1,5 bilhão de reais nos últimos dois anos. Não bastassem as dificuldades nos negócios, na semana passada a empresa foi chacoalhada por uma nova fase da Operação Carne Fraca, chamada de Trapaça. Entre os alvos está o ex-presidente da BRF Pedro Faria, sócio da Tarpon e alçado ao cargo com o aval de Diniz.

Segundo a Polícia Federal, as áreas de análises laboratoriais de quatro fábricas da BRF falsificavam laudos para esconder problemas sanitários. Antigos executivos da empresa afirmam, reservadamente, que a nova gestão, em sua busca frenética por corte de custos e resultados mais vistosos, acabou comprometendo a qualidade da operação.

Assine agora o site para ler na íntegra esta reportagem e tenha acesso a todas as edições de VEJA:

Ou adquira a edição desta semana para iOS e Android.

Aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ataíde Jorge de Oliveira

    😮
    Pois_É,VEjA
    Mas, ¢/ o bnDË$
    D@ Don@ DI£M@
    :TuDo BE££EZA,NãO 😮

    Curtir