Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Escândalo do petrolão leva TCU a investigar Belo Monte

Consórcio responsável pela usina é formado por empresas citadas na Lava Jato: Odebrecht, Andrade Gutierrez, OAS, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa e Galvão Engenharia

O Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou nesta quarta-feira a abertura de fiscalização da usina de Belo Monte, que está em construção no Pará. A medida, sugerida pelo ministro José Múcio e aprovada por unanimidade no plenário do tribunal, determina que seja feita a investigação de possíveis irregularidades no uso de recursos públicos federais no projeto, cujo consórcio responsável é formado por empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato: Odebrecht, Andrade Gutierrez, OAS, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa e Galvão Engenharia.

Segundo o ministro Múcio, não houve nenhuma denúncia específica para motivar o procedimento, mas a série de denúncias envolvendo empreiteiras recomenda uma ação preventiva. O objetivo, portanto, é identificar e prevenir desvios que possam causar prejuízos aos cofres públicos.

O TCU destacou que os custos da usina de Belo Monte aumentaram de 19 bilhões de reais para 33 bilhões de reais, com predomínio de capital público e 70% dos financiamentos com origem no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Para o órgão, esse aumento dos custos pode estar relacionado à “falta de controle das estatais quanto ao processo decisório e às condições favoráveis de financiamento oferecidas pelo BNDES”.

A concessionária Norte Energia, dona da usina, é uma empresa privada. Como as atribuições do TCU se restringem à fiscalização do uso de recursos públicos, a investigação deve se ater à parcela de investimentos da Eletrobras e de suas subsidiárias Chesf e Eletronorte, que são donas de praticamente metade da empresa (49,98%).

O restante do capital da Norte Energia pertence aos fundos de pensão Petros e Funcef (20%) e a outras empresas, como Neoenergia, Cemig, Light, Vale, Sinobrás e J.Malucelli Energia. A investigação foi proposta pelo procurador do Ministério Público junto ao TCU, Sergio Ricardo Costa Caribé.

“Dessa forma, essencial que as fiscalizações do TCU se conformem a esse novo quadro, investigando o uso de recursos públicos federais em empreendimentos que contam com participação relevante de empresas públicas, mas são controladas por sócios privados”, diz o relatório do ministro Múcio. A auditoria ainda entrará em fase de planejamento e não tem prazo para conclusão dos trabalhos.

Leia mais:

MPF pede paralisação imediata de remoção de famílias em Belo Monte

Belo Monte confirma morte de três operários em acidente

Aneel nega pedido para prorrogar entrega de Belo Monte

Belo Monte está com 65% de suas obras concluídas. A usina terá 11.233 MW de potência. O TCU chegou a avaliar a possibilidade de investigar também as usinas de Santo Antônio e Teles Pires, cujas concessionárias também são integradas por empresas da Eletrobras. Porém, devido ao estágio avançado das obras dos empreendimentos, o órgão chegou à conclusão de que não haveria risco sistêmico para o setor elétrico.

(Com agência Reuters)