Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Entenda o que é o sistema Swift, que pode isolar a Rússia do mundo

Líderes do G7 anunciaram banimento de "certos bancos russos" do sistema; plataforma permite troca de informações financeiras entre bancos e empresas

Por Larissa Quintino Atualizado em 28 fev 2022, 12h12 - Publicado em 28 fev 2022, 09h13

As sanções do ocidente a economia russa tem aumentado conforme o conflito militar na Ucrânia avança e parece não ter uma solução. Uma das mais importantes é o bloqueio do sistema Swift. Esse sistema, até então pouco conhecido, é fundamental para o comércio internacional dos países e um banimento aos russos pode isolar o país. No domingo,  líderes dos G7, grupo das sete maiores economias do mundo, disseram que aliados ocidentais decidiram cortar “certos bancos russos” do Swift. Porém, não informou quais.

 Swift é uma sigla para  Sociedade de Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais. Ao contrário do que se possa imaginar, o Swift não é um sistema de pagamentos, mas sim uma plataforma que padroniza informações financeiras. Sediada e gerida na Bélgica, a Swift foi criada por países europeus e os Estados Unidos em 1973 e reúne hoje 11 mil instituições financeiras conectadas em mais de 200 países.

Na prática, o Swift funciona como uma plataforma de mensagens em tempo real, permitindo que bancos e empresas informem uns aos outros os pagamentos que serão realizados e já foram recebidos. Durante o ano de 2021, houve mais de 42 milhões de trocas por dia. Não há troca de recursos em si no sistema, mas sim a confirmação das transações e padronização das informações financeiras, aumentando a segurança do comércio internacional.

Caso banidas, as instituições russas podem tentar confirmar as informações por e-mail, telefone ou até mesmo um sistema próprio, mas diminui a confiabilidade do sistema global. Há cerca de 300 empresas russas no Swift, perdendo em número apenas para os Estados Unidos.

Caso a remoção da Rússia ao sistema seja concretizada, haverá um bloqueio para que os bancos russos viabilizem pagamentos em suas transações comerciais. A maior implicação é que as empresas de outros países também ficam impedidas de fazer negócios, ou seja, há efeitos colaterais para as economias e o sistema financeiro global.

Preocupações

Alguns países relutaram em cortar o acesso da Rússia à rede de transferência interbancária devido a preocupações sobre como os pagamentos das importações de energia russa seriam feitos e se os credores da UE seriam pagos.

Apesar de a exclusão do SWIFT trazer impactos significativos, existem alternativas para países que não levantaram barreiras diretas à Rússia enviarem e receberem remessas internacionais, como é o caso do Brasil. Renata Amaral, consultora em comércio internacional e professora da American University, explica que existem alternativas para se esquivar da Swift. “Por exemplo, pagar a empresa com quem está se negociando em uma conta sua em Genebra. Depois, os caminhos pelos quais o valor chega à Rússia não são das vias mais transparentes, como paraísos fiscais. Esse processo não é necessariamente mais caro, mas mais trabalhoso”, diz Amaral.

Quando o Irã foi excluído do SWIFT devido aos avanços em seu programa nuclear, por exemplo, instituições de comércio exterior brasileiras conseguiram seguir com os negócios com o país passando por países terceiros. Hoje há, ainda, a possibilidade de realizar pagamentos via criptomoedas.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)