Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Entenda o novo cálculo que muda o fator previdenciário

Medida Provisória editada pelo governo mantém a fórmula "85/95", mas prevê um aumento progressivo a partir de 2017, atrasando o acesso ao benefício

Por Da Redação 18 jun 2015, 14h22

Após vetar a mudança no fator previdenciário, aprovada no Congresso, a presidente Dilma Rousseff editou uma medida provisória com uma proposta alternativa para o cálculo da aposentadoria. O texto da MP 676, publicado nesta quinta-feira, no Diário Oficial da União, mantém a fórmula “85/95”, que considera a soma da idade e do tempo de contribuição para mulheres e homens, respectivamente, mas prevê um aumento progressivo a partir de 2017, que retarda o acesso ao benefício. Dentro da fórmula, o tempo mínimo de contribuição para homens é de 35 anos e, para as mulheres, de 30 anos. As novas regras valem a partir desta quinta-feira, mas precisam passar pela aprovação dos parlamentares para serem incorporadas à lei.

LEIA TAMBÉM:

Mudança no fator previdenciário vai economizar R$ 50 bi, mas é ‘momentânea’, dizem ministros

Entenda as fórmulas para o cálculo da aposentadoria
Entenda as fórmulas para o cálculo da aposentadoria VEJA

O dispositivo prevê que a fórmula seja aumentada em um ponto nas seguintes datas: 1º de janeiro de 2017, 1º de janeiro de 2019, 1º de janeiro de 2020, 1º de janeiro de 2021 e 1º de janeiro de 2022. Com isso, em 2022, a fórmula chegará a 90/100. Na prática, isso significa que o acesso à aposentadoria integral ficará mais difícil em relação à fórmula aprovada pelo Congresso, acompanhando o aumento da expectativa de vida dos brasileiros. Por exemplo: um homem que queira se aposentar com o salário integral (que não pode ultrapassar 4.466 reais em valores correntes) em 2022, e que tenha completado 35 anos de contribuição aos 55 anos de idade, terá de trabalhar mais cinco anos para conseguir cumprir os requisitos do fator e receber o valor completo: só assim, a soma das duas variáveis chegará a 100 (40 anos de contribuição e 60 anos de idade). Isso não impede que o contribuinte se aposente antes. Contudo, ele não receberá a aposentadoria integral.

Para justificar os motivos do veto, o ministro da Previdência explicou que a população brasileira está vivendo mais, ao mesmo tempo em que a taxa de fecundidade das mulheres está diminuindo. “Para a sociedade, isso significa que teremos menos pessoas trabalhando e contribuindo em relação às pessoas idosas. É lógico que isso pressiona as contas da Previdência Social”, afirmou Gabas. “É uma medida que dialoga muito bem com o Congresso, dá uma estabilidade, fixa por um longo período condições que podem ser muito estáveis”, disse o ministro da Fazenda, Joaquim Levy.

Continua após a publicidade

Leia mais:

Previdência: com ou sem o fator, a conta não fecha

Nova regra de aposentadoria torna Previdência inviável, diz ministro

Fator – O fator previdenciário, criado em 1999, é uma fórmula que tem o objetivo de reduzir os benefícios baseados nas aposentadorias por tempo de contribuição e por idade. Afeta quem se aposenta antes de atingir 65 anos (nos casos de homens) ou 60 anos (mulheres). Dessa forma, incentiva o contribuinte a trabalhar por mais tempo.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade