Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Entenda a crise cambial na Turquia e como ela afeta o seu bolso

Segundo economistas, instabilidade na lira turca gera fuga de capital aos EUA e pode comprometer preços no Brasil, resultando em aumento da inflação

Por Redação 14 ago 2018, 08h44

A lira turca, que acumula uma desvalorização de 40% no ano, vem provocando um aversão global ao risco e saída de capital de países emergentes, como o Brasil. A queda da moeda turca se agravou na semana passada, com a ofensiva comercial dos Estados Unidos, que anunciou um aumento das tarifas de importação de aço e alumínio do país. 

No Brasil, o dólar chegou a bater 3,92 reais nesta segunda-feira. Mas não é só por aqui que o dólar vem se valorizando. Em uma semana, o peso argentino perdeu 6% de seu valor, enquanto o rublo russo se desvalorizou 8%.

Neste momento de tensão financeira, os investidores temem que a crise turca contamine outros mercados, principalmente aqueles que dependem excessivamente do capital estrangeiro. Quem mais sofre com esse movimento são os países emergentes, como o Brasil.

“À medida que países emergentes têm problemas, investidores procuram aplicações mais seguras, como títulos do governo americano”, explica Mauro Rochlin, professor de economia da FGV Rio (Fundação Getulio Vargas).

O aumento do dólar acaba gerando uma pressão de preços. “Com a maior saída de dólares do Brasil, o câmbio brasileiro aumenta e pressiona os preços por conta do valor de artigos importados. Se a crise durar por muito tempo, a inflação pode aumentar no país”, afirma Juliana Inhasz, economista do Insper.

Continua após a publicidade

A professora, contudo, não acredita que a crise deve gerar um aumento de juros. “Acho improvável, porque a Turquia tem um mercado pequeno e o Banco Central tem uma boa reserva para segurar pressões temporárias como essa”, acrescenta.

Pressão do mercado

A crise monetária da Turquia, de forma geral, ocorre em meio à pressão do mercado para elevar a taxa de juros do país e a crise diplomática entre o governo turco de Recep Tayyip Erdogan e o de Donald Trump, dos EUA.

Na sexta-feira (10), Trump dobrou as tarifas de aço sobre a Turquia. As tarifas das importações de aço da Turquia subiram para 50% e do alumínio para 20%. A decisão acelerou queda da lira e aumentou o temor de que a moeda mais fraca aprofunde as fragilidades do país, pondo em risco a solidez do sistema financeiro da Turquia.

O governo americano também pressiona o presidente Erdogan para liberar o pastor evangélico americano Andrew Brunson, que foi detido em outubro de 2016 por acusações de espionagem.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês