Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Eneva, ex-MPX, anuncia aumento de capital de até R$ 1,5 bilhão

Medida faz parte de um acordo para a reestruturação da companhia, que também envolve a renegociação de dívidas e a venda da térmica Pecém II

A empresa de energia Eneva, ex-MPX, anunciou o aumento de até 1,5 bilhão de reais seu capital, movimento que faz parte de um acordo para fortalecimento da sua estrutura de capital, que também envolve a renegociação de dívidas e a venda da térmica Pecém II. O acordo foi celebrado entre a companhia e a DD Brazil Holdings S.a.r.l., E.ON SE, e os bancos Itaú Unibanco, BTG Pactual, Citibank e HSBC Bank Brasil, conforme fato relevante divulgado nesta segunda-feira.

No documento, a companhia informou que a injeção de recursos será feita em duas fases. Na primeira, será feito um aumento privado de capital de até 316,5 milhões de reais, a um valor de 1,27 real por ação – preço de fechamento do papel na sexta-feira, quando a proposta foi aprovada pelo Conselho de Administração. A E.ON se comprometeu a subscrever novas ações da Eneva no valor de 120 milhões de reais nessa etapa.

Na segunda fase da operação, será feito um aumento privado de capital em dinheiro e bens de até 1,5 bilhão de reais, descontado o montante emitido na primeira etapa. A transação da segunda fase será submetida à aprovação da Assembleia Geral da Eneva. A E.ON se comprometeu a subscrever até 450 milhões de reais em novas ações de emissão da companhia nessa etapa, sendo que o compromisso “poderá ser realizado mediante a contribuição de parte, ou a totalidade, das ações diretas ou indiretas detidas pela E.ON e de emissão da Pecém II Geração de Energia, decorrente da potencial venda de ações do capital social da Pecém II à E.ON”.

Leia também:

Justiça quebra sigilo de mensagens eletrônicas de Eike Batista dos últimos cinco anos

Eike nega ter usado informação privilegiada na bolsa de valores

Polícia Federal investigará Eike por fraude na OGX

Processo – A Eneva também informou nesta segunda-feira que, antes da segunda fase do aumento de capital, venderá entre 50% e 100% das ações de emissão da termelétrica Pecém II, localizada no município de São Gonçalo do Amarante, no Ceará. A Eneva acrescentou que o compromisso de subscrição por parte da E.ON está sujeito à condição de que a participação da empresa alemã no capital social da Eneva não ultrapasse 49,9%.

Ainda de acordo com o comunicado, a E.ON concordou em dar uma garantia pela qual incorporará indiretamente até 50% da totalidade das ações de emissão da Pecém II, assim como um empréstimo concedido pela Eneva à termelétrica, por meio de uma sociedade de propósito específico a qual terá E.ON e Eneva como acionistas.

“A Venda de Pecém II será feita a condições e por um preço justo de mercado a ser determinado ao fim do processo competitivo e confirmado por um laudo de avaliação preparado pela Deloitte Touche Tohmatsu, sendo que o compromisso da E.ON com relação à Pecém II não deve exceder o valor de 400 milhões de reais”, disse a Eneva.

Leia ainda:

OSX tem prejuízo líquido de R$ 2,4 bi em 2013

OGPPar, antiga OGX, tem prejuízo de R$ 17,4 bi em 2013

Além do aumento de capital, a Eneva fechou um empréstimo ponte com as instituições financeiras no valor de 100 milhões de reais, uma reestruturação de seu endividamento e de suas subsidiárias no valor de 600 milhões de reais, e a prorrogação de cinco anos no prazo de vencimento dos empréstimos ainda existentes, com início do prazo para amortização a partir de junho de 2017. “O aumento de capital, o reperfilamento das dívidas e a venda de Pecém II objetivam aumentar a disponibilidade de caixa do grupo Eneva e fortalecer sua estrutura de capital e seu balanço”, afirmou a companhia.

(com agência Reuters)