Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Eneva entra com pedido de recuperação judicial

Antiga MPX, de Eike Batista, não revalidou acordo em novembro para suspensão de amortização e pagamentos de juros de operações financeiras

Por Da Redação 10 dez 2014, 08h46

Mergulhada em dívidas, a empresa de energia Eneva, antiga MPX, que fazia parte do conglomerado do empresário Eike Batista, informou na terça-feira que ajuizou pedido de recuperação judicial em caráter de urgência na Comarca do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente, conforme o site da companhia, o maior acionista da Eneva é a alemã E.ON, com 42,9%, enquanto Eike possui 20%.

Desta forma, a Eneva se junta a outras empresas ligadas a Eike que entraram em recuperação judicial, casos da petroleira OGX, da empresa de construção naval OSX e da MMX Sudeste Mineração, controlada pela MMX Mineração e Metálicos.

Segundo fato relevante, o pedido de recuperação judicial ocorre em virtude da não revalidação do acordo para suspender a amortização e o pagamento de juros de operações financeiras contratadas pela companhia e determinadas subsidiárias com seus credores financeiros, expirado em 21 de novembro de 2014.

Outro fato é o de não ter sido alcançado um acordo entre a companhia e instituições financeiras na implementação de um plano de estabilização visando ao fortalecimento da estrutura de capital e medidas para o reperfilamento de suas dívidas financeiras.

Leia também:

Eneva dá calote de mais de US$ 9 milhões no Credit Suisse

Continua após a publicidade

Eike Batista é processado por aprovar contas da ex-OGX irregularmente

Eike termina ‘tranquilo’ 1º dia de julgamento por crime financeiro

“Uma vez deferido o pedido de recuperação judicial, ficará suspensa a exigibilidade de todas as dívidas concursais da companhia e de sua controlada Eneva Participações, no valor total de 2,33 bilhões de reais”, diz a companhia.

As demais subsidiárias da Eneva não foram incluídas no pedido de recuperação judicial e as usinas permanecem em operação normalmente, segundo o fato relevante. A companhia terá 60 dias, contados do deferimento da recuperação judicial, para apresentar seu plano de recuperação judicial.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade