Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Empresas líderes de tecnologia propõem passaporte digital da vacina

Microsoft, Oracle e Salesforce formaram uma coalização para propor um padrão tecnológico para o passaporte que poderia ser aceito em todo o mundo

Por Josette Goulart Atualizado em 14 jan 2021, 14h53 - Publicado em 14 jan 2021, 13h14

Algumas gigantes de tecnologia, empresas de saúde e organizações sem fins lucrativos anunciaram nesta quinta-feira, 14, nos Estados Unidos, que estão desenvolvendo em conjunto padrões de tecnologia para criar uma espécie de passaporte digital de vacinação que poderia ser aceito em todo o mundo. Os especialistas já preveem que companhias áreas, escritórios, estádios, enfim, qualquer lugar em que as pessoas se aglomerem, podem começar em breve a exigir que as pessoas comprovem que tomaram a vacina contra a Covid-19. A coalização se autointitula de “Iniciativa de Credencial de Vacinação”, numa tradução livre, e reúne nomes de gigantes como Microsoft, Oracle e Salesforce.

A ideia de se estabelecer padrões é para que por meio da tecnologia seja possível verificar se uma pessoa recebeu de fato a vacina e prevenir que as pessoas falsamente aleguem estar protegidas. Cada governo poderá estabelecer suas próprias regras, como por exemplo, que vacinas vai aceitar no passaporte para deixar um cidadão estrangeiro entrar em seu país. As pessoas poderão manter seus registros em uma carteira digital ou um código QR de papel para compartilhar com quem fizer a exigência.

A ideia surgiu de um dos membros da coalizão, The Commons Project, uma organização sem fins lucrativos apoiada pela Fundação Rockefeller que desenvolveu um certificado digital internacionalmente aceito para os viajantes que têm resultado negativo em testes para Covid-19. A mesma lógica seria usada para a vacina.

Segundo o monitor Our World in Data mais de 30 milhões de pessoas foram vacinadas contra a Covid-19 no mundo tudo. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deve aprovar as primeiras vacinas no domingo. A diretoria vai decidir o futuro da CoronaVac, da chinesa SinoVac em parceria com o Instituto Butantan, e da vacina da AstraZeneca/Oxford feita em parceria com a Fiocruz no domingo. A expectativa é de que na próxima semana comece a vacinação no país. A prefeitos, o Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que a imunização terá início no dia 20. Ela não será obrigatória, mas o Supremo Tribunal Federal já sinalizou que Estados e Municípios possam adotar medidas restritivas de circulação das pessoas que se recusarem a tomar a vacina. Nesse aspecto, faria sentido usar um passaporte de vacinação.

Continua após a publicidade

Publicidade