Clique e assine com 88% de desconto

Emprego na indústria tem maior retração anual desde 2009

Indicador voltou a cair em agosto e, na comparação anual, registra queda de 2%

Por Da Redação - 10 out 2012, 09h35

O emprego na indústria caiu 0,1% em agosto ante julho, já descontadas as influências sazaonais, informou nesta quarta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). Em julho, o número de empregados no setor havia subido 0,2%. Na comparação com agosto de 2011, porém, a queda foi ainda maior, de 2% – 11º resultado negativo consecutivo neste tipo de comparação e o pior resultado desde dezembro de 2009 (-2,4%).

De janeiro a agosto, o emprego na indústria acumula queda de 1,4% e, em 12 meses, de 1,%.

Leia mais:

IBGE: produção industrial avança em 9 de 14 regiões

Publicidade

Confiança da indústria tem maior nível em 14 meses

Brasil terá o 2º pior PIB da América Latina e Caribe

Na comparação a agosto do ano passado, houve diminuição no quadro de trabalhadores em 12 dos 14 locais pesquisados, segundo o IBGE. O principal impacto negativo sobre a média global foi observado em São Paulo (-3,2%). No Nordeste (-3,4%), no Rio Grande do Sul (-2,8%), em Pernambuco (-5,7%), em Santa Catarina (-1,7%) e nas regiões Norte e Centro-Oeste (-1,5%), também houve queda. Por outro lado, Paraná (1,5%) e Minas Gerais (0,5%) contribuiram positivamente ao indicador.

Salários – A folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria aumentou 2,2% na passagem de julho para agosto. O resultado elimina a redução de 1,1% registrada no mês anterior, informou o IBGE. Na comparação com agosto do ano passado, a folha de pagamento teve expansão de 1,7%, o 32º resultado positivo consecutivo nesse tipo de comparação. No ano, a folha registra avanço de 3,4%, e, em 12 meses, a alta acumulada é de 3,2%.

Publicidade

Já o número de horas pagas aos trabalhadores da indústria ficou estável na passagem de julho para agosto. Em julho, as horas pagas tinham crescido 0,3%, interrompendo quatro meses de taxas negativas consecutivas, uma perda acumulada de 2,8%. Em relação a agosto de 2011, o número de horas pagas recuou 2,6%, a 12ª taxa negativa seguida. No ano, o indicador acumula perda de 2,1%, e, em 12 meses, houve queda de 1,9% em agosto.

(Com Agência Estado)

Publicidade