Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Emprego na indústria sobe 0,1% em fevereiro ante janeiro–IBGE

SÃO PAULO, 12 Abr (Reuters) – O emprego na indústria brasileira subiu 0,1 por cento em fevereiro sobre janeiro e caiu 0,7 por cento na comparação com igual mês de 2011, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira.

A queda de 0,7 por cento na comparação anual foi o quinto resultado negativo e o mais intenso desde janeiro de 2010 (-0,9 por cento), destacou o IBGE em nota. Já a comparação com o mês anterior destaca o quadro de estabilidade observado desde outubro.

Em relação a janeiro, o IBGE revisou o dado sobre o emprego industrial para queda de 0,2 por cento contra o mês anterior, ante recuo de 0,3 por cento informado anteriormente.

O índice acumulado nos dois primeiros meses de 2012 recuou 0,6 por cento na comparação com igual período do ano anterior e intensificou o ritmo de queda observado no último trimestre de 2011, de 0,4 por cento.

No acumulado dos últimos 12 meses foi registrado avanço de 0,5 por cento em fevereiro de 2012, prosseguindo com a redução no ritmo de crescimento iniciada em fevereiro de 2011 (3,9 por cento).

Por sua vez, o número de horas pagas subiu 1,3 por cento, o avanço mais intenso desde fevereiro de 2008 (1,7 por cento), refletindo em grande parte o maior dinamismo da produção industrial em fevereiro de 2012, de acordo com o IBGE.

A produção industrial já apresentou sinais de melhora em fevereiro, ao crescer 1,3 por cento sobre janeiro, acima do esperado e a maior taxa de crescimento desde fevereiro de 2011.

Para estimular o setor, o governo anunciou na semana passada um pacote de 60,4 bilhões de reais em medidas que incluem a redução do custos dos financiamentos e a desoneração da folha de pagamento, entre outras ações.

Na última terça-feira, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) informou que o Uso da Capacidade Instalada (UCI) do setor caiu ligeiramente para 82,1 por cento em fevereiro, contra 82,4 por cento em janeiro. Por outro lado, o faturamento cresceu 1,5 por cento, mas a entidade previu que a atividade vai se recuperar neste ano de maneira lenta.

(Por Camila Moreira)