Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Emprego na indústria fica estável em novembro, IBGE

Na comparação com novembro de 2012, o total de pessoal ocupado na indústria registrou queda de 1,7%

Por Da Redação 14 jan 2014, 09h13

O emprego na indústria brasileira ficou estável em novembro na comparação com outubro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira. Na comparação com novembro de 2012, o total de pessoal ocupado na indústria registrou queda de 1,7%. No acumulado de janeiro a novembro de 2013, os postos de trabalho na indústria tiveram redução de 1,1%, e, em 12 meses, houve retração também de 1,1%.

Pagamento – O valor da folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria, ajustado sazonalmente, teve aumento de 2,6% na passagem de outubro para novembro. O resultado elimina a queda de 0,8% observada no mês anterior.

Em novembro, houve influência da expansão de 2,1% na folha de pagamento da indústria de transformação. Já o setor extrativo teve um recuo de 1,4%.

Na comparação com novembro de 2012, o valor da folha de pagamento da indústria registrou queda de 3,7%, o primeiro resultado negativo desde dezembro de 2009, quando tinha verificado uma retração de 4,3%.

Leia também:

Produção industrial recua 0,2% em novembro, diz IBGE

Continua após a publicidade

Indústria puxa resultado ruim de emprego

Confiança da indústria cresce 1,1% em dezembro

De acordo com o IBGE, a redução ocorrida em novembro do ano passado foi impactada por uma base de comparação elevada, já que a folha de pagamento real da indústria tinha crescido 10,5% em novembro de 2012.

No acumulado de janeiro a novembro de 2013, houve expansão de 1,7% na folha de pagamento. Em 12 meses, o crescimento foi de 2,4%.

Horas pagas – O número de horas pagas aos trabalhadores teve redução de 0,4% na passagem de outubro para novembro, segundo o IBGE. O resultado devolve o ganho de 0,3% verificado no mês anterior, que havia interrompido cinco meses de taxas negativas consecutivas. De maio a setembro, a indústria já tinha acumulado uma perda de 2,9% no número de horas pagas.

Na comparação com novembro de 2012, o número de horas pagas pela indústria teve queda de 2,2%, o sexto resultado negativo consecutivo. No acumulado de janeiro a novembro do ano passado, houve redução de 1,2%, e, em 12 meses, as horas pagas diminuíram também 1,2%.

(com Estadão Conteúdo e agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)