Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Emprego na indústria cai pelo terceiro mês seguido

De acordo com dados do IBGE, em junho a queda foi de 0,2% em relação ao mês anterior

Por Da Redação 11 set 2013, 09h52

O emprego na indústria recuou 0,2% na passagem de junho para julho, na série livre de influências sazonais, informou nesta quarta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa é a terceira queda consecutiva.

Na comparação com julho de 2013, o emprego industrial apontou uma queda ainda maior, de 0,8% em julho deste ano. No acumulado de 2013, os postos de trabalho na indústria recuaram 0,8%, ante mesmo período do ano passado. Em 12 meses, o emprego industrial caiu 1,1%.

Leia também:

Confiança da indústria é a menor desde 2009

Produção industrial registra queda de 2% em julho

Pagamento – O IBGE informou ainda que o número de horas pagas pela indústria, descontadas as influências sazonais, caiu 0,3% em julho frente a junho. Em comparação a julho de 2012, o indicador recuou 0,8%. No ano, o indicador relativo ao número de horas pagas pela indústria caiu 0,9% e, em 12 meses,1,2%.

Continua após a publicidade

O setor de calçados e couro, com redução de 7,4% em comparação a julho do ano passado, foi um dos fatores que contribuíram para a queda do índice. Em contrapartida, as principais influências positivas partiram do setor de alimentos e bebidas, com variação de 2,1% na mesma base de comparação.

O valor da folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria subiu 0,4% em julho ante junho, pelo indicador ajustado sazonalmente. No ano, a taxa acumulada é de 2,8% e, em 12 meses, de 3,9%. Em relação a julho de 2012, a folha de pagamento na indústria avançou 3,4%. Foram registradas altas em doze dos catorze locais pesquisados, com destaque para São Paulo, cuja alta foi de 3,3%.

Leia ainda:

Ipea vê desaquecimento no mercado de trabalho

Ainda na comparação anual, o IBGE destacou que o valor da folha de pagamento real da indústria cresceu em treze dos dezoito setores investigados, com destaque para o setor de indústrias extrativas, que teve aumento de 13,4%. Os principais impactos negativos foram observados em calçados e couro, com queda de 1,8%.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade