Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Em visita ao Brasil, Timothy Geithner reforçará consenso sobre o yuan

Por Da Redação 7 fev 2011, 09h31

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Timothy Geithner, tentará reforçar as relações cada vez mais firmes entre Washington e Brasília, buscando encontrar o consenso sobre questões polêmicas, como o câmbio chinês. Após os atritos dos últimos anos, referentes, especialmente, às disputas comerciais entre ambas as nações e das relações do Brasil com o Irã, a presidente Dilma Rousseff busca, abertamente, desenvolver laços mais fortes com os EUA.

Às vésperas da reunião do G20 na França, em 18 e 19 de fevereiro, os dois países tentam encontrar maneiras de cooperar para convencer a China a permitir que o yuan se valorize mais rápido. O yuan subvalorizado – parte do que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, chamou de “guerra cambial” global – provocou um problema para a economia brasileira ao desgastar a balança comercial nacional e forçar a transferência de empregos para o exterior.

A visita de Geithner também deve abrir caminho para uma viagem ao Brasil do presidente americano, Barack Obama, em março. Autoridades de ambos os países dizem que visita sinalizará uma nova era de cooperação entre as duas maiores economias do ocidente. “A relação do Brasil com Washington será conduzida por um viés menos ideológico do que nos últimos anos”, disse um assessor de Dilma à Reuters.

Dilma acredita que aproximar-se de Washington é uma das maneiras de convencer a China a corrigir desequilíbrios comerciais, disseram assessores. “Os Estados Unidos estão impressionados com a retórica que o governo brasileiro tem usado em relação a questões econômicas globais, em particular, em relação à China”, disse Mauricio Cardenas, diretor do programa de estudos da América Latina da Brookings Institution, centro de pesquisa em Washington.

Lael Brainard, subsecretária para assuntos internacionais do Tesouro americano que acompanha Geithner na viagem, disse à Reuters que o yuan e as políticas cambiais da China estarão entre os muitos interesses econômicos comuns a Brasil e EUA. “Eu acho que nós iremos nos concentrar em interesses mútuos – nos quais vemos os rumos da agenda do G20, o rebalanceamento mais amplo da economia global e as questões cambiais”, disse ela.

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês