Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Em sete meses, inflação da indústria ultrapassa acumulado de 2020

Preços na porta da fábrica, sem impostos e frete, subiram 21,93% entre janeiro e julho, contra 19,38% no ano passado; no mês, alta foi de 1,94%

Por Larissa Quintino Atualizado em 27 ago 2021, 23h31 - Publicado em 27 ago 2021, 09h20

Os preços da indústria subiram 1,94% na passagem de junho para julho, a maior variação dos últimos três meses – houve variação de 1,29% em junho e de 0,99% em maio. Segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, 27, o indicador registra 21,39% nos sete meses de 2021, maior que o acumulado em todo o ano de 2020 (19,38%). No acumulado de doze meses, o índice chega a 35,08%. 

A pesquisa mede a variação dos preços de produtos na “porta da fábrica”, sem impostos e frete, de 24 atividades das indústrias extrativas e da transformação. Dessas, vinte tiveram variação positiva em julho. A maior influência no índice veio de alimentos, refino de petróleo e produtos de álcool, indústrias extrativas e metalurgia. Houve alta das commodities minerais, agropecuárias e petróleo. “Um inverno mais rigoroso em 2021 e a entressafra de insumos importantes à fabricação de alimentos também contribuíram para deteriorar as condições de oferta de matéria-prima, pressionando as margens do produtor industrial desse setor”, avalia Felipe Figueiredo Câmara, analista do Índice de Preços ao Produtor (IPP),

Câmara destaca ainda os efeitos da depreciação cambial corrente, após dois meses de alta, a qual provoca um aumento do montante em reais recebido em toda a indústria pela venda de produtos cotados em moeda estrangeira. “A carne bovina vem sendo afetada em sua estrutura de custos pela alta acumulada na cadeia da soja nos últimos meses, efeito que, em julho, em particular, é reforçado pela entressafra do abate. Ao mesmo tempo, pelo lado da demanda, os preços do produto são pressionados por uma procura internacional aquecida. E, um resultado colateral importante da alta no preço da carne é o efeito substituição na demanda doméstica por proteína animal, com aumento da procura e dos preços da carne de frango, que também é destaque de influência no mês. Uma dinâmica similar afeta os preços do açúcar, que reflete os efeitos da entressafra da cana ao mesmo tempo que tem os preços internacionais em alta”, diz.

Em relação às grandes categorias, a influência sobre o IPP (1,94%) foi de 2,14% em bens de capital; 1,90% em bens intermediários; e 1,98% em bens de consumo, sendo que 0,76% foi a variação observada em bens de consumo duráveis e 2,22% em bens de consumo semiduráveis e não duráveis.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)