Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Emendas parlamentares serão usadas em combate a coronavírus, diz Bolsonaro

Em conversa com empresários, o presidente disse que o Ministério da Saúde terá aditivo de R$ 8 bilhões; setor privado se prontificou a ajudar com insumos

Por Victor Irajá Atualizado em 4 jun 2024, 14h24 - Publicado em 20 mar 2020, 15h46

O presidente Jair Bolsonaro voltou a afirmar, em conferência realizada com empresários na tarde desta sexta-feira, 20, que a “nossa economia não pode parar” e elencou a produção de alimentos como primordial para que o país enfrente a pandemia do novo coronavírus. “Nossa economia não pode parar, no tocante à produção de alimento”, disse. Ele, porém, voltou a criticar a posição de governadores, como o governador Wilson Witzel (PSC-RJ) de fechar as fronteiras do Rio de Janeiro para voos e ônibus. “Não procede algumas medidas tomadas por algumas autoridades pelo Brasil, como fechar os aeroportos e as estradas”, afirma Bolsonaro. O presidente afirmou ainda que as emendas parlamentares, que somam 8 bilhões de reais, serão destinadas ao combate da pandemia. “Em comum acordo, os parlamentares abriram mão de 8 bilhões de reais de emendas individuais e de bancadas, recurso esse que vai diretamente ao Ministério da Saúde“, disse ele. 

O presidente voltou a falar em “histeria” e disse que um possível aumento nas taxas de desemprego pode ser mais nocivo do que o vírus em si. “Não podemos entrar em pânico. Temos que tomar as medidas necessárias, mas sem histeria”, afirmou. “Se crescer muito [o número de desempregados], pode ser muito pior”. Ele disse que o Brasil precisa continuar se movimentando e que as medidas não podem colocar em prática o setor produtivo. Ele pediu que o governo centralize as atuações por meio de um conselho de crise. “A primeira sugestão é que se crie um comitê de gestão sobre a sua presidência para que haja a participação de todos nós”, apelou.

ASSINE VEJA

A guerra ao coronavírus A vida na quarentena, o impacto da economia, o trabalho dos heróis da medicina: saiba tudo sobre a ameaça no Brasil e no mundo ()
Clique e Assine

Entre os presentes, estavam representantes de diversos setores, como o presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, e o presidente da Riachuelo, Flávio Rocha. Em sua manifestação, Skaf elencou a saúde como prioridade em detrimento à atividade econômica e disse que o setor privado pode ajudar na gestão da crise. “Todas as necessidades, como materiais, estamos dispostos a ajudar. Na área econômica, podemos colaborar muito”, afirmou ele. “Nos estamos a disposição para ajudar nesta guerra. Nós temos a consciência que primeiro tem que ser controlada a situação da saúde”, disse. “A iniciativa privada quer participar, não para pedir, mas para dar”.

O dono da construtora Cyrela, Elie Horn, famoso por sua atuação filantrópica, apelou para que os empresários se motivem a ajudar durante a crise. “Sugiro que haja menos egoísmo do empresariado. Temos que compensar o egoísmo que fazemos uso normalmente”, disse ele. Já o empresário Abílio Diniz pregou que as pessoas se isolem para que a disseminação do vírus seja contida. “Não podemos impedir o trânsito de mercadorias e pessoas, mas temos que nos mobilizar para que as pessoas fiquem no mesmo lugar”, disse ele, afirmando que a decisão de isolamento tem que ser centralizada pelo Governo Federal, para evitar que a doença se alastre ainda mais nas regiões Norte e Nordeste do país.

Continua após a publicidade

CEO da BRF, Lorival Luz afirmou que a iniciativa privada tem a missão de garantir o estoque de alimentos e medicamentos para a população. Já Jean Jereissati, da Ambev, relembrou que transformou uma fábrica mantida pela empresa no Rio de Janeiro em um centro de produção de álcool, para ser utilizado como matéria-prima para a produção de álcool em gel, que deve ser distribuído para as populações paulista e fluminense. Ele também apelou para que o governo olhe “com carinho” para o setor de bares e restaurantes e se prontificou a ajudar os empreendedores. Rubens Ometto, da Cosan, disse estar trabalhando para transformar a produção de álcool em gel e firmar parceiras para distribuição em farmácias.

O presidente da General Motors na América Latina, Carlos Zarlenga, afirmou que empenhou engenheiros em estudos para que a montadora desenvolva respiradores artificiais. Apesar da dificuldade, relata ele, a empresa tem expertise e material para ajudar na produção. Ele diz que, nas últimas semanas, as vendas de veículos recuaram entre 40% e 50% no país. O CEO da AccorHotels, Patrick Mendes, exortou preocupação ao revelar que durante a semana, 130 hotéis faliram no país e previu a falência de outros 300 na semana que vem. Ele colocou os quartos à disposição das autoridades para o tratamento de pacientes ou para quarentena e apelou ao presidente por medidas rígidas de isolamento para que o país consiga recuperar o setor, como, segundo ele, já faz a China.

Durante a reunião, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, previu que os casos continuem em aumento exponencial até julho, quando prevê uma estabilização no aumento dos casos para que, em setembro, o número de infecções passe a diminuir. Ele afirma que o sistema de saúde brasileiro vá entrar em colapso a partir de abril e não haverá atendimento nem para quem “tiver dinheiro ou planos de saúde”. Sem cargo no governo, o filho do presidente Flávio Bolsonaro, senador do Rio de Janeiro, estava presente na reunião.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.