Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em ano de ajuste fiscal, investimentos em infraestrutura devem cair 19%

Segundo consultoria, contingenciamento vai levar o governo a investir 25 bilhões de reais a menos do que no ano passado em obras de logística

Após terem ficado estáveis de 2013 para 2014, os investimentos em infraestrutura deverão tombar 19% neste ano. O principal motivo é o corte dos gastos públicos causado pelo ajuste fiscal. Segundo especialistas, a menos de dez dias do anúncio do novo pacote de concessões do governo federal, a projeção reforça a importância do capital privado para esses investimentos.

Segundo estudo da consultoria Inter.B, a projeção para os aportes em infraestrutura neste ano é de 105,7 bilhões reais, 25,2 bilhões de reais a menos do que em 2014. Com isso, o investimento no setor cairia para 1,78% do Produto Interno Bruto (PIB), nível idêntico ao de 2007. Caso o número se confirme, o país só terá tido resultado pior em 2003, quando o aporte em infraestrutura somou 1,46% do PIB. A série histórica da Inter.B foi iniciada em 2001.

Leia também:

Governo inclui aeroporto de Fortaleza em programa de concessões

Em novo pacote, governo quer privatizar até 14 trechos de rodovias

Embora diversas empresas do setor sejam atingidas pelas investigações da Operação Lava Jato, o ajuste fiscal é o principal vilão em 2015, diz o presidente da Inter.B, Cláudio Frischtak. “O ajuste pega muito o investimento público”, afirma. A economista Luísa Azevedo, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), explica que os gastos de custeio, muitas vezes obrigatórios, são mais difíceis de cortar.

No primeiro trimestre, o investimento público da União, sem contar estatais, caiu 30%, para 15,6 bilhões de reais, segundo dados compilados pelo economista Mansueto Almeida. Como o setor público responde por cerca de metade dos aportes no setor de transporte, ele é o mais afetado, explica Frischtak. No total, a Inter.B projeta queda de 20,9% neste ano, para 42 bilhões de reais. Em rodovias, o corte pode ser de 26,9%.

Nem o apetite chinês por investimento em logística, sinalizado na recente visita do primeiro-ministro Li Keqiang, pode ser suficiente. Integrante da comitiva, Yu Weiping, vice-presidente da CNR, que fornece trens para o Metrô do Rio, foi reticente quanto a novos investimentos no país. Disse que tudo dependerá de novos projetos. É justamente este o problema, segundo a InterB., já que os aportes em mobilidade urbana deve cair 20,2%.

Outra forma de promover o investimento são as parcerias público-privadas (PPPs), diz Gustavo Gusmão, diretor da área de infraestrutura da consultoria Ernst & Young. O problema, segundo o consultor, é que a contrapartida dos governos nas PPPs também fica ameaçada com o ajuste fiscal. Para ele, novo modelo de concessões será uma sinalização importante sobre a possibilidade de êxito da estratégia de usar a infraestrutura para impulsionar o “pós-ajuste”. “O mercado quer notícias boas, mas quer ver as coisas na mesa”, comenta Gusmão.

Leia mais:

Governo recua e BNDES financiará até 70% de concessões de infraestrutura

Levy defende investimento privado em infraestrutura​

(Com Estadão Conteúdo)