Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Em 2015, três de cada quatro trabalhadores usarão 13º para pagar dívidas

Neste ano, 74% dos pesquisados vão utilizar o salário extra para diminuir o endividamento, segundo a Anefac; em 2014, número foi de 68%

Por Da Redação 26 out 2015, 15h27

Três de cada quatro trabalhadores brasileiros vão usar o 13º salário para pagar dívidas neste fim de ano, segundo pesquisa da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac). O número é maior que o registrado em 2014, quando 68% dos entrevistados no levantamento utilizaram o salário extra para diminuir seu endividamento.

“Isso demonstra que a redução da atividade econômica, o aumento das taxas de juros e a inflação mais alta elevaram o endividamento dos consumidores”, diz a Anefac, em nota. O número daqueles que usarão o 13º para comprar presentes caiu de 11% no ano passado para 8% neste ano.

O percentual daqueles que pretendem usar o 13º para pagar as despesas de começo de ano, como IPVA, IPTU e matrícula escolar, por sua vez, caiu de 11% para 8% entre 2014 e 2015. O movimento ocorre, segundo a Anefac, porque, com o crescente endividamento das famílias, a maior parte dos recursos será destinada ao pagamento de dívidas, o que reduz o volume de recursos que sobram para compromissos financeiros futuros.

Entre as principais dívidas que devem ser quitadas com o 13º estão cartão de crédito (para 44% dos entrevistados), cheque especial (39%) e financiamento bancário (7%). Já entre aqueles que gastarão o salário extra para presentear amigos e familiares, 75% pretendem compras roupas, 73%, celulares e 65%, bens diversos. A intenção de compra de produtos duráveis, de maior valor, diminuiu de um ano para o outro. A linha branca, por exemplo, recuou de 16% para 12%.

A maioria dos consumidores (42%) pretende gastar entre 200 reais e 500 reais com presentes, seguido de outra parcela significativa (32%) que vai desembolsar entre 100 reais e 200 reais. Caiu o percentual dos que vão gastar mais (entre 1.000 reais e 2.000 reais), para 2% do total (no ano passado, foram 3%), e subiu de 14% para 16% o grupo dos que querem desembolsar menos (até 100 reais).

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)