Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Elon Musk sabe algo sobre o Bitcoin que nós não sabemos

Um tuíte do homem mais rico do mundo, fundador da Tesla e da SpaceX, foi suficiente para fazer disparar as cotações da criptomoeda

Por Josette Goulart Atualizado em 30 jan 2021, 13h10 - Publicado em 29 jan 2021, 16h46

O que Elon Musk e Jack Dorsey, o fundador do Twitter, estão sabendo que nós não sabemos? Os dois mudaram hoje suas biografias no Twitter e publicaram a hashtag #Bitcoin em seus perfis. O poder de Elon Musk de influenciar comportamentos já é conhecido. Outro dia ele só escreveu Signal em sua conta no Twitter e de repente o  aplicativo rival do WhatsApp era o mais baixado nas lojas de apps. Não foi diferente nesta sexta-feira, 29. A cotação do bitcoin disparou 17% logo no começo da manhã só por conta da alteração da conta de Musk. O dono da Tesla e da SpaceX ainda publicou um tuíte enigmático que, em tradução livre, diz: “Em retrospecto, era inevitável”. Já o fundador do Twitter também dá pistas do que está querendo dizer com sua nova Bio quando deu um like no tuíte de um usuário da sua rede: “GameStop mudou o jogo, #Bitcoin vai acabar com ele.”

O movimento dos dois tuiteiros celebridade acontece apenas dois dias depois de usuários de um fórum da rede social Reddit, o #WallStreetBets, terem se organizado para derrubar os ganhos de grandes fundos de hedge americanos. Os investidores atuaram em conjunto para comprar ações da GameStop, uma empresa varejista que vende video games e que perdia valor por conta da concorrência digital. Com a compra em massa das ações, a cotação subiu e fundos que apostavam fortemente contra a empresa perderam bilhões.

A gritaria dos fundos foi imensa, acusando os pequenos investidores de manipulação de preços, desconsiderando o fato de eles mesmos fazerem apostas bilionárias contra empresas. A plataforma Robinhood, usada por esses investidores pessoas físicas, chegou a proibir que seus clientes comprassem ações da GameStop e de outras empresas visadas como a Blackberry, que começaram a subir também por conta de movimentos coordenados de pequenos investidores.

Continua após a publicidade

  • Nesta sexta-feira, o Robinhood foi além e proibiu a compra da Dodecoin, uma criptomoeda que nasceu de um meme de internet e é a queridinha de Elon Musk. Até mudar sua bio para #bitcoin ele se autointitulava CEO da Dode. Em poucos dias, a Dodecoin subiu mais de 500% com o movimento dos pequenos investidores. Muita gente ficou milionário com o movimento. Políticos começaram a se envolver no caso. A deputada democrata Alexandria Ocasio-Cortez questionou os motivos de a Robinhood impedir seus investidores de comprar determinados ativos. Se os fundos de hedge podem apostar livremente contra empresas, por que os pequenos investidores não podem salvá-las?

    O recado que esses investidores individuais parecem estar dando é que eles também têm poder para mudar o jogo e ninguém pode pará-los. Foi assim que muitos entenderam também o movimento público de Elon Musk. “O homem mais rico do mundo entendeu o Bitcoin. Se você tem suas próprias chaves. Ninguém pode interromper a negociação. E ninguém pode impedir seus botões de compra ou venda. Você decide. Eles podem restringir o Bitcoin. Mas ninguém pode realmente pará-lo”, disse o analista de um desses sites para pequenos investidores. Agora especula-se se o próximo passo de Musk será converter 1% do balanço patrimonial da Tesla em Bitcoin.

    As autoridades europeias parecem não gostar muito da criptomoeda. “Quem investe em Bitcoin tem de estar preparado para perder todo o seu dinheiro”, disse Gabriel Makhlouf, membro do conselho administrativo do Banco Central Europeu, à Bloomberg TV nesta sexta. A criptomoeda é um “ativo altamente especulativo”, também disse a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde,  neste mês. Hoje o Bitcoin está valendo 35.167 dólares, já com a alta impulsionada pelo tuíte de Musk. Em reais, é pouco menos de 200 mil reais. A criptomoeda chegou a ultrapassar o valor de 40 mil dólares no fim do ano passado.

    Continua após a publicidade
    Publicidade