Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Elon Musk e Mark Zuckerberg barrados em fundo dos CEOs de ‘bom’ caráter

ETF pontua empresas com base em seu líder; enquanto Tesla e Meta ficaram fora, outras gigantes das techs como Apple e Amazon estão na listagem

Por Larissa Quintino Atualizado em 28 mar 2022, 18h32 - Publicado em 28 mar 2022, 13h22

Um novo fundo de investimentos negociado no mercado americano deixou de fora dois dos maiores empreendedores que atuam no país. Isso porque o Return on Character (retorno de caráter, em tradução livre), lançado na quinta-feira passada, 24, busca valorização do capital visando as ações de empresas lideradas por diretores executivos de “alto caráter”, de acordo com um documento regulatório. Chamou atenção que nem a Tesla, de Elon Musk, e nem a Meta, de Mark Zuckerberg, estão entre as empresas negociadas.

A estratégia do fundo utiliza um modelo baseado em “integridade, responsabilidade, perdão e compaixão”, segundo documento divulgado pela empresa de investimentos. Dan Cooper, gerente de portfólio e fundador da ROC Investments, disse para a Bloomberg que a pesquisa da empresa determina quais ações estão incluídas, uma decisão que não se baseia em popularidade ou capitalização de mercado, mas recusou-se a comentar porque Tesla e Meta não estão na listagem.

Enquanto as duas empresas ficaram de fora do fundo dos CEOs “bonzinhos”, estão incluídas no portfólio empresas rivais como a Apple, Microsoft e Amazon.com  – comandadas por Tim Cook, Satya Nadella e Andy Jassy, ​​respectivamente. A Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, também está na listagem.

A história toda do fundo parece polêmica e curiosa, mas entra em uma discussão antiga do mundo corporativo, que é a diferença que um chefe faz na empresa. E, a avaliação disso em um fundo de investimentos pode acelerar essa discussão.

No caso do fundo de investimento em questão, os gestores analisam a linguagem pública dos CEOs de aproximadamente as 1.000 maiores empresas nos EUA. Há uma avaliação comportamental, uma avaliação de “controvérsia” e pontuação de caráter para a construção do portfólio de 75 a 150 empresas. Uma reavaliação será feita anualmente.

A ausência das empresas de Musk e Zuckerberg na listagem é porque, cada um, tem sua parcela de controvérsia. Musk cultiva sua postura polêmica e seus tuítes, que tanto agradam seguidores, mas que atraíram a atenção de órgãos reguladores dos Estados Unidos. Em 2018, por exemplo, uma postagem sobre tornar a empresa privada terminou em uma multa de 20 milhões de dólares e na renúncia de Musk como presidente.

Zuckerberg vem enfrentando uma série de problemas na Meta, incluindo uma ação judicial de investidores sobre preocupações de que a plataforma afeta negativamente a saúde mental de adolescentes.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)