Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Eletrobras planeja venda fatiada de distribuidoras

Segundo jornal, estatal pretende dividir em até quatro etapas a privatização de suas distribuidoras de energia, a começar pela Celg, de Goiás

Por Da Redação 7 Maio 2015, 11h43

O governo pretende fatiar em até quatro etapas a privatização das distribuidoras de energia controladas pela Eletrobras. O processo de venda deve começar pela Celg, estatal goiana. Segundo reportagem do jornal Valor Econômico, a estratégia deve ganhar velocidade assim que o governo renovar as concessões das distribuidoras. Os contratos vigentes vencem em julho e serão prorrogados. Falta definir, todavia, os valores dos planos quinquenais de investimentos com que as empresas se comprometerão para modernizar as redes e obter uma extensão. Só assim será possível estabelecer o preço mínimo da venda dos ativos.

Resolução do Conselho Nacional de Desestatização (CND), deu, na quarta-feira, largada formal para a venda da Celg, cujo controle é dividido entre Eletrobras (51%) e o Estado de Goiás (49%). A ideia é fazer uma oferta conjunta de ações no segundo semestre de 2015, com o objetivo de transferir a administração da companhia à iniciativa privada.

Em uma segunda fase, devem ser oferecidas as distribuidoras em localidades já conectadas ao sistema interligado nacional: as antigas Cepisa (Piauí), Ceal (Alagoas) Eletroacre (Acre) e Ceron (Rondônia).

A dúvida é se a Amazonas Energia entra nesse lote ou fica numa etapa intermediária, na qual também entraria a CEA (Amapá). Por último ficaria a CERR, de Roraima, última unidade da federação sem ligação ao sistema interligado, devido a atrasos na construção da linha Manaus-Boa Vista.

Leia mais:

TCU multa ex-diretores da Valec por irregularidades na ferrovia Norte-Sul

Contas de luz precisam de 33% de aumento para cobrir rombo do setor

Plano – A venda das distribuidoras, endividadas e deficitárias, faz parte do plano estratégico formulado pela Eletrobras para o período 2015-2030, que já foi aprovado pelo conselho de administração, mas ainda não foi detalhado. O Ministério de Minas e Energia também precisa aprovar o plano. Procurada pelo jornal, a Eletrobras não quis fazer nenhum comentário e disse desconhecer as informações publicadas pelo jornal.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade