Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Eike não precisa de socorro do governo, diz Pimentel

Para o ministro, os ativos do grupo EBX podem controlar a crise de confiança que atinge as companhias do empresário

Por Laryssa Borges Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
4 jul 2013, 13h23

O ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, descartou nesta quinta-feira a possibilidade de o governo federal socorrer as empresas do empresário Eike Batista. Para o ministro, que se encontrou com o presidente do Senado, Renan Calheiros, os ativos do grupo EBX podem controlar a crise de confiança que atinge as companhias do empresário. “Ele tem ativos muito valiosos. Não precisa [de socorro]”, disse Pimentel.

Na tarde de quarta-feira, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, repetiu a mesma afirmação em coletiva à imprensa. Lobão disse que o governo não previa “nenhum tipo de auxílio” ao grupo EBX.

Na manhã desta quinta, a MPX Energia informou em fato relevante a renúncia de Eike Batista do cargo de presidente e membro do Conselho de Administração da empresa. O anúncio provocou a disparada de ações da empresa de energia do grupo. No final da manhã, a alta na BM&FBovespa chegava a 11%,com ações cotadas a 7,16 reais.

O fato relevante Também registra que será convocada uma assembleia geral para debater as resoluções sobre a renúncia de Eike, a alteração da denominação social da MPX Energia, mudanças no estatuto social da companhia e outras adaptações à imagem e marca. A mudança de nome da MPX e a saída de Eike são medidas para desvincular a empresa da imagem do empresário, tentar valorizar suas ações e possibilitar sua venda dentro de alguns meses. A MPX é hoje a empresa mais valiosa dentro do grupo de Eike e peça central no plano de reestruturação do grupo.

Dívidas – A capacidade de Eike em honrar com o pagamento das dívidas de suas empresas foi colocada em xeque ao longo das últimas semanas, sobretudo no caso da petroleira OGX. Bancos chegaram a afirmar que a empresa poderá ficar sem caixa em um ano, caso não consiga obter receita com a extração de petróleo. Na noite de terça-feira, a agência de classificação de risco Standard and Poor’s rebaixou o rating da dívida da OGX para o grau ‘pré-default’, que significa um alto risco de a companhia não conseguir pagar suas dívidas. Na manhã desta quarta, a Moody’s fez o mesmo.

Continua após a publicidade

Segundo um relatório do Bank Of America Merrill Lynch, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Caixa estão altamente expostos ao endividamento do grupo EBX. O documento também relata a exposição de instituições privadas, como Itaú Unibanco, Bradesco, Santander, HSBC e BTG Pactual. Como a holding EBX não possui capital aberto (e, por isso, não divulga seus balanços) a estimativa de endividamento do grupo com os bancos ainda é parcial. Mas, mesmo assim, o montante impressiona: 13 bilhões de reais.

Segundo informações oficiais obtidas pela Bloomberg junto ao BNDES, o bilionário chegou ao ponto de utilizar sua fortuna pessoal como garantia para 2,3 bilhões de reais em empréstimos junto ao BNDES. No total, o banco disponibilizou 10,4 bilhões ao empresário desde 2007. Contudo, o valor, de fato, desembolsado pelo BNDES ainda não é público.

O ‘inferno astral’ de Eike Batista nos negócios começou em junho de 2012, quando a OGX informou que a capacidade de produção de seus poços seria muito menor do que o divulgado a investidores na abertura de capital da companhia. De lá pra cá, todos os projetos de Eike foram colocados em xeque. A situação se agravou nesta segunda-feira, quando a OGX Petróleo informou que poderá fechar seu único poço petrolífero ativo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.