Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Economistas revisam PIB para baixo pela décima vez seguida

Segundo projeções de analistas financeiros divulgadas pelo Boletim Focus, do Banco Central, crescimento da economia deve ser de 1,49% neste ano

Economistas consultados pelo  Banco Central (BC) voltaram a rever para baixo a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro para 2019. Segundo as estimativas, a expectativa é que o PIB fecha o ano em 1,49%. Foi a décima queda consecutiva na previsão de crescimento do índice, que mede o desenvolvimento da economia do país. Os dados foram divulgados nesta segunda feira, 6, pelo Boletim Focus

O corte da previsão de crescimento foi de 0,21%. No relatório de semana passada, a projeção dos economistas para o indicador ao final deste ano era de 1,70%. Em 2019, os economistas ouvidos pelo BC já chegaram a prever o PIB em 2,57%, na segunda semana do governo Jair Bolsonaro. No fim do ano passado, a expectativa para o crescimento da economia em 2019 era de 2,55%.

A previsão para o PIB de 2020, que caiu por cinco semanas seguidas, agora se encontra estável, em 2,50%. O PIB soma todos os produtos e serviços produzidos no Brasil em um ano para medir o valor da economia.

Inflação

Além da queda no PIB, os economistas consultados pelo BC subiram a previsão da inflação. De acordo com as previsões, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve fechar o ano em 4,04%, previsão que era de ,01% na semana passada.

O indicador segue abaixo segue abaixo da meta de inflação estipulada pelo governo, de 4,25%. O índice está dentro da margem de tolerância prevista pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), entre 2,75% e 5,75%, 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Já as projeções para os juros e o câmbio permaneceram estáveis. A Selic, taxa básica de juros da economia, foi mantida em 6,5% para o fim deste ano, o menor patamar da história. Desde março do ano passado, a Selic está em 6,5% O dólar comercial também ficou estável e deve terminar o ano vendido a 3,75 reais.