Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Economistas reduzem estimativa de inflação para 2018

Economistas consultados pelo relatório Focus projetam câmbio mais alto para 2019

Os economistas de instituições financeiras reduziram a estimativa para a inflação deste ano, ao mesmo tempo em que elevaram a projeção para a taxa de câmbio no fim do ano que vem, mostra pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda-feira.

A projeção de alta do IPCA chegou agora a 4,11% em 2018, ante 4,15% na semana anterior, com a conta para 2019 sendo mantida em 4,10%.

Nos cinco dias anteriores ao fechamento da pesquisa, os economistas de mercado passaram a esperar um pouco mais de inflação para 2021, fim do horizonte relevante da política do Banco Central, a 3,98%, ante 3,75% anteriormente, segundo mediana de 74 respostas.

A atualização contraria expectativa do BC, que na semana passada chamou atenção para a convergência das expectativas do mercado para o centro da meta definida pelo Conselho Monetário Nacional para 2021, em 3,75%, após resposta de 33 analistas.

A taxa de câmbio, estimada em R$ 3,68 para 2019 na pesquisa da semana anterior, passou a ser projetada em R$ 3,70, mostra a pesquisa, mesmo patamar que o dólar terminará este ano de acordo com os analistas consultados pelo BC.

O centro da meta de inflação para este ano é de 4,5% e, para 2019, de 4,25%, ambos com margem de 1,5% para mais ou menos.

Sobre a atividade econômica, o cenário de retomada foi mantido pelos economistas até o ano de 2021, com uma expansão de 1,5% do PIB neste ano, subindo para 2,50% nos anos de 2019, 2020 e 2021.

Menos inflação

Ultrapassados os principais impactos na economia da greve dos caminhoneiros no fim de maio e com o IPCA-15 de julho mais fraco que o esperado, o mercado passou a ser mais otimista sobre o comportamento dos preços no curto e médio prazo, com atualizações de última hora elevando as projeções para 2021.

Segundo o chamado Top-5, grupo que reúne os que mais acertam as previsões, o IPCA de julho deve terminar em 0,29%, ante previsão anterior de 0,39%, levando o índice de referência de preços da meta de inflação a terminar o ano em 3,94% e não superar os 4% até 2021.

As expectativas para a taxa básica de juros, por sua vez, não sofreram alterações. A visão dos economistas é de que a Selic terminará este ano a 6,5% e 2019 a 8%.