Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Economistas pioram projeção para inflação e expansão do PIB

No relatório semanal Focus, do BC, mercado espera alta de 6,35% para IPCA, mas mantém projeção de Selic a 11,25% em 2014

Economistas de instituições financeiras mantiveram a projeção para a Selic neste ano em 11,25%, apesar de terem aumentado a da inflação, de acordo com a pesquisa Focus do Banco Central nesta segunda-feira. O mercado projeta alta de 6,35% para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2014, ante 6,30% na semana passada. A estimativa se aproxima cada vez mais do teto da meta de inflação oficial, de 6,5% e se distancia do centro (4,5%). Para 2015, a Selic é esperada em 12% ao ano, enquanto a inflação deve subir 5,84% – na semana a projeção de alto do IPCA era de 5,80%.

Na última quarta-feira, o Banco Central, por meio de seu Comitê de Política Monetária (Copom), decidiu elevar em 0,25 ponto porcentual a taxa básica de juros. Agora a Selic está em 11%. Esta foi a nona vez que a autoridade monetária sobe os juros – o aperto monetário começou há um ano. O mercado entendeu a alta como uma resposta ao rebaixamento da nota de crédito (rating) do Brasil pela agência de classificação de risco Standard & Poor’s. Ou seja, o governo quer mostrar que está vigilante com sua economia.

Leia mais:

Brasil responde ‘de forma robusta’ a desafios, diz BC após rebaixamento

Para Tombini, alta do preço de alimentos é ‘choque temporário’

Ainda segundo o Focus desta segunda, a estimativa para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) também caiu, passando de 1,69% na semana passada para 1,63%. Para 2015, a expectativa do mercado continua em expansão de 2%.

No fim de março, em seu Relatório Trimestral de Inflação, o BC diminuiu sua projeção para o crescimento do PIB para este ano de 2,5% para 2%. Em todo o ano de 2013, a economia brasileira cresceu 2,3%. A estimativa para o IPCA em 2014 é de alta de 6,1% – a previsão anterior estava em 5,6%.

Leia também:

Produtividade baixa impede que o Brasil cresça mais

Em Davos, Tombini admite: ‘Crescer 2% não é suficiente. Precisamos fazer mais’

(com agência Reuters)