Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Economista Edmar Bacha alerta para necessidade de diversificar a economia

Por Da Redação 8 jan 2012, 13h15

São Paulo, 8 jan (EFE).- O economista Edmar Bacha, um dos pais do Plano Real, alertou para o risco da dependência das matérias-primas e defendeu uma maior diversificação da economia.

‘Acho que o perigo é que não saibamos administrar a riqueza dos recursos naturais que já temos. Uma riqueza que será maior no futuro com a exploração do petróleo na camada pré-sal’, disse Bacha em entrevista concedida ao jornal ‘O Estado de S. Paulo’.

Para o economista, um dos formuladores do Plano Cruzado, no governo de José Sarney, é necessário tomar medidas para não cair na ‘maldição dos recursos naturais’ que, em sua opinião, afetou países como a Venezuela e Argentina; quando a descoberta de matérias-primas gera uma riqueza súbita ‘que não é fruto de um trabalho prévio, da acumulação de capital nem da melhora dos recursos humanos’.

Na opinião do analista, a solução está em ‘usar esta grande oportunidade das matérias-primas em alta para aumentar a taxa de poupança e investir não só em infraestrutura, mas também na diversificação da economia e na melhoria da educação’.

‘Porque desse modo, em algum momento teremos uma economia mais sólida que não dependerá somente das matérias-primas’, afirmou Bacha, acrescentando que as chaves do crescimento sustentável são: ‘poupança, tecnologia e educação’.

Continua após a publicidade

‘Temos problemas sérios. A qualidade da educação é péssima e somos um país pouco inovador. Além disso, a taxa de poupança é muito baixa’, declarou.

Bacha citou como exemplos de boa gestão de recursos naturais Chile e Noruega, países que criaram fundos soberanos que não permitem sobrevalorização da moeda e nos quais os rendimentos são usados para promover a diversificação da atividade econômica.

De acordo com sua análise, os preços das matérias-primas, embora possam sofrer retrocessos temporários devido à crise que aflige os países industrializados, nações como China e a Índia seguirão contribuindo para a inflação dos produtos básicos e qualificou o momento atual de era ‘asiocêntrica’.

Segundo as últimas estimativas, a economia brasileira acelerou cerca de 3% em 2011, dado sensivelmente inferior à expansão de 7,5% de 2010.

O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos últimos anos responde em grande medida às exportações de matérias-primas, que favorecem a entrada de divisas no país e a consequente revalorização do real. EFE

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)